Achamento

Embora haja rumores de passagem humana por alguma das ilhas de Cabo Verde antes de 1460, quer de pescadores oriundos da costa africana próxima, quer do veneziano Cadamosto, que teria vislumbrado a ilha da Boa Vista em 1456, a História atribui a Diogo Gomes e António da Noli (genovês ao serviço do rei de Portugal) a descoberta destas ilhas, em 1460, a bordo de duas naus. Sucessivamente, São Cristóvão (Boa Vista), Lhana (Sal), São Jacob (Santiago), São Filipe (Fogo), Maias (Maio), foram encontradas e abordadas nesse ano.

O Infante D. Henrique, grande obreiro das descobertas portuguesas do séc. XV, terá tido conhecimento destes achamentos antes de falecer, ainda nesse ano de 1460, e o rei de Portugal D. Afonso V daria a posse destas ilhas ao seu irmão D. Fernando.

As restantes ilhas (Santo Antão, S. Vicente, S. Nicolau, Santa Luzia e Brava – primeiro chamada S. João) viriam a ser descobertas por Diogo Afonso (que também descobrira a Madeira) entre 1461 e 1462, o qual partilharia o governo da Ilha de Santiago com Antonio da Noli, estabelecendo-se o primeiro em Alcatrazes (Praia Baixo), e o segundo na que se tornaria a primeira cidade da África Ocidental, Ribeira Grande (Cidade Velha).

Embora haja rumores de passagem humana por alguma das ilhas de Cabo Verde antes de 1460, quer de pescadores oriundos da costa africana próxima, quer do veneziano Cadamosto, que teria vislumbrado a ilha da Boa Vista em 1456, a História atribui a Diogo Gomes e António da Noli (genovês ao serviço do rei de Portugal) a descoberta destas ilhas, em 1460, a bordo de duas naus. Sucessivamente, São Cristóvão (Boa Vista), Lhana (Sal), São Jacob (Santiago), São Filipe (Fogo), Maias (Maio), foram encontradas e abordadas nesse ano.

O Infante D. Henrique, grande obreiro das descobertas portuguesas do séc. XV, terá tido conhecimento destes achamentos antes de falecer, ainda nesse ano de 1460, e o rei de Portugal D. Afonso V daria a posse destas ilhas ao seu irmão D. Fernando.

As restantes ilhas (Santo Antão, S. Vicente, S. Nicolau, Santa Luzia e Brava – primeiro chamada S. João) viriam a ser descobertas por Diogo Afonso (que também descobrira a Madeira) entre 1461 e 1462, o qual partilharia o governo da Ilha de Santiago com Antonio da Noli, estabelecendo-se o primeiro em Alcatrazes (Praia Baixo), e o segundo na que se tornaria a primeira cidade da África Ocidental, Ribeira Grande (Cidade Velha).

Autoria/Fonte

Armando Ferreira

Relacionados

Notícias

Projecto Tartaruga promove capacitação em conceitos e práticas de patrulha do ambiente natural

Fogo: Master plan de turismo das ilhas do Fogo e da Brava identifica duas dezenas de projetos prioritários

Plataforma de encontro entre quem quer investir e quem quer desenvolver projetos

Fogo: A ilha precisa de bons investimentos públicos para criar condições para os investimentos privados – Primeiro-ministro

Projeto "Turismo e comunidades: iniciativas locais de criação de emprego” apresentado hoje na Ponta do Sol