Cultura - Dança

Correspondendo aos géneros musicais acima descritos, assim se dança em Cabo Verde em estilos tão diversos como a morna, a coladeira e o funaná, os três bailados que podem considerar-se comuns a todos os cabo-verdianos, mesmo na diáspora.

Mas existem outras expressões de dança igualmente apreciadas e praticadas, embora por vezes mais localizadas, como o batuco, sobretudo enraizado em Santiago, o colá, visto mais na Boa Vista, em S. Vicente ou em Santo Antão, o talaia-baxo, o canizade ou o rabolo, no Fogo, assim como o landum, na Boa Vista, a xotice ou as europeias contradança, mazurka e polka.

Destaca-se o aparecimento de grupos de dança artística, com destaque para o Raiz di Polón, cujas coreografias se impuseram não só em Cabo Verde como nos palcos internacionais.

Correspondendo aos géneros musicais acima descritos, assim se dança em Cabo Verde em estilos tão diversos como a morna, a coladeira e o funaná, os três bailados que podem considerar-se comuns a todos os cabo-verdianos, mesmo na diáspora.

Mas existem outras expressões de dança igualmente apreciadas e praticadas, embora por vezes mais localizadas, como o batuco, sobretudo enraizado em Santiago, o colá, visto mais na Boa Vista, em S. Vicente ou em Santo Antão, o talaia-baxo, o canizade ou o rabolo, no Fogo, assim como o landum, na Boa Vista, a xotice ou as europeias contradança, mazurka e polka.

Destaca-se o aparecimento de grupos de dança artística, com destaque para o Raiz di Polón, cujas coreografias se impuseram não só em Cabo Verde como nos palcos internacionais.

Relacionados

Notícias

Revista Volta ao Mundo destaca “Cabo Verde: nas terras do Calor”

Morna como Património da Humanidade passa por apoios, eventos e alguns segredos

Capacidade de alojamento em Cabo Verde aumentou em 5,8% em 2018

Santo Antão: Raízes leva campanha de sensibilização aos liceus com o turismo no centro das atenções

Santa Catarina: Assomada acolhe festival internacional de capoeira