Ilhas

As ilhas do arquipélago de Cabo Verde integram-se em dois grupos, o de Barlavento (de onde sopra o vento) e o de Sotavento (por onde se escoa o vento), conforme o posicionamento relativamente aos ventos dominantes (alísios) que sopram de Nordeste, coincidindo assim as de Barlavento (Santo Antão, S. Vicente, Santa Luzia, S. Nicolau, SalBoa Vista) com as que se encontram mais a Norte, e as de Sotavento (Maio, Santiago, FogoBrava) com as que se alinham a Sul.

As 10 ilhas de Cabo Verde são ainda complementadas por 16 ilhéus: a Barlavento, o Ilhéu dos Pássaros, entre S. Vicente e Santo Antão; Branco e Raso, entre Santa Luzia e S. Nicolau; Rabo de Junco junto à ilha do Sal; de Sal Rei, Curral Velho e Baluarte, nas costas da Boa Vista. A Sotavento, o ilhéu de Santa Maria, frente à Praia, em Santiago; o ilhéu de Areia, junto à Brava, e os ilhéus Grande, Rombo, Baixo, de Cima, do Rei, Luís Carneiro e Sapado, a 8 Km a Norte desta ilha.

Estes “dez grãozinhos de terra” estão a impor-se como um destino turístico novo e atraente, como sugerem as cores com que decidimos pintar no nosso mapa de abertura cada uma delas.

 Com o verde-esperança da vegetação, parca mas preciosa, dos campos agrícolas, das fruteiras esparsas, das florestas raras dos cumes.

Com o azul-nacarado do nosso mar, transparente, tépido e acolhedor.

Com o rosa-vivo da nossa juventude, alegre, desinibida e sonhadora como as buganvílias que enfeitam as fachadas das nossas casas, por sobre a porta e as duas janelas.

Com o amarelo-dourado das dunas onduladas pela brisa, e das tâmaras resplandecentes nas mães paridas.

Com o vermelho-rubro de fogo sobre lava, que simboliza a chama de uma terra e de uma gente novas.

Com o laranja-sol-poente que banha as extensas praias das nossas ilhas planas ao entardecer.

Com a cor-chocolate das nossas crioulas airosas e sedutoras, e das nossas crianças chilreantes e despreocupadas…

Cabo Verde é tudo isto!

Por detrás de uma fugaz agrura que depressa esquece,

sorver o suco apaziguador do viver macio das gentes,

caçar o resplendor fulgurante de surpreendentes laivos de oásis,

tirar no mar a temperatura de uma água sedosa, esmeralda e refrescante,

deslizar ao vento lesto por sobre água lisa,

desafiar peixe ao largo, em luta de força quase igual,

planar em cumes de alcance panorâmico e inebriante,

mergulhar nas férteis ribeiras de cana florida e jorros de cachoeira,

marinhar na sabura das noites embaladas pela morna ou sacudidas pelo funaná ou a coladeira…

E muito mais.

Venha daí e descubra-nos!

As ilhas do arquipélago de Cabo Verde integram-se em dois grupos, o de Barlavento (de onde sopra o vento) e o de Sotavento (por onde se escoa o vento), conforme o posicionamento relativamente aos ventos dominantes (alísios) que sopram de Nordeste, coincidindo assim as de Barlavento (Santo Antão, S. Vicente, Santa Luzia, S. Nicolau, SalBoa Vista) com as que se encontram mais a Norte, e as de Sotavento (Maio, Santiago, FogoBrava) com as que se alinham a Sul.

As 10 ilhas de Cabo Verde são ainda complementadas por 16 ilhéus: a Barlavento, o Ilhéu dos Pássaros, entre S. Vicente e Santo Antão; Branco e Raso, entre Santa Luzia e S. Nicolau; Rabo de Junco junto à ilha do Sal; de Sal Rei, Curral Velho e Baluarte, nas costas da Boa Vista. A Sotavento, o ilhéu de Santa Maria, frente à Praia, em Santiago; o ilhéu de Areia, junto à Brava, e os ilhéus Grande, Rombo, Baixo, de Cima, do Rei, Luís Carneiro e Sapado, a 8 Km a Norte desta ilha.

Estes “dez grãozinhos de terra” estão a impor-se como um destino turístico novo e atraente, como sugerem as cores com que decidimos pintar no nosso mapa de abertura cada uma delas.

 Com o verde-esperança da vegetação, parca mas preciosa, dos campos agrícolas, das fruteiras esparsas, das florestas raras dos cumes.

Com o azul-nacarado do nosso mar, transparente, tépido e acolhedor.

Com o rosa-vivo da nossa juventude, alegre, desinibida e sonhadora como as buganvílias que enfeitam as fachadas das nossas casas, por sobre a porta e as duas janelas.

Com o amarelo-dourado das dunas onduladas pela brisa, e das tâmaras resplandecentes nas mães paridas.

Com o vermelho-rubro de fogo sobre lava, que simboliza a chama de uma terra e de uma gente novas.

Com o laranja-sol-poente que banha as extensas praias das nossas ilhas planas ao entardecer.

Com a cor-chocolate das nossas crioulas airosas e sedutoras, e das nossas crianças chilreantes e despreocupadas…

Cabo Verde é tudo isto!

Por detrás de uma fugaz agrura que depressa esquece,

sorver o suco apaziguador do viver macio das gentes,

caçar o resplendor fulgurante de surpreendentes laivos de oásis,

tirar no mar a temperatura de uma água sedosa, esmeralda e refrescante,

deslizar ao vento lesto por sobre água lisa,

desafiar peixe ao largo, em luta de força quase igual,

planar em cumes de alcance panorâmico e inebriante,

mergulhar nas férteis ribeiras de cana florida e jorros de cachoeira,

marinhar na sabura das noites embaladas pela morna ou sacudidas pelo funaná ou a coladeira…

E muito mais.

Venha daí e descubra-nos!

Relacionados

Notícias

Primeira edição de Festival de curtas-metragens apresentada em Mindelo

Empresas alemãs procuram parceiros cabo-verdianos no sector do turismo e energias renováveis

Cabo Verde vai implementar em 2019 projecto subaquático “Margullar” – garante Jair Fernandes

Santa Catarina: Livro “Histórias da História de Santiago” vai ser apresentado quarta-feira em Assomada

Biosfera alerta para atentados à biodiversidade

Livre circulação no topo da agenda da Cimeira do Sal

Duas décadas de estabilidade e de credibilidade para a moeda cabo-verdiana

PR diz ser preciso acarinhar e preservar a língua portuguesa

IGRP Web do NOSi entre o TOP 50 de inovações em África

Cabo Verde e Brasil poderão colaborar a nível do turismo de aventura e comércio de vinhos

Tecnologias: Cinema da Praia recebe a 2ª edição do TEdx Praia

O turismo não pode estar de costas voltadas para as populações

Universidades cabo-verdianas ainda se assemelham aos liceus – reitor da Uni-Piaget

Ilha do Fogo: Universidade de Santiago promove a partir de sábado a IX edição do “Rotas do Arquipélago”

Santo Antão: Aumento do turismo trouxe novas oportunidades de negócios ainda pouco exploradas na ilha – Raízes

Ilha do Fogo: Empresários brasileiros na ilha para desenvolvimento de parcerias no sector do turismo rural

Cabo Verde não vai pedir assistência financeira ao FMI, afirma ministro das Finanças

Governo português analisa entrada da CGD no Fundo Soberano de Cabo Verde

Investigador defende que é necessário entender as reais necessidades da oceanografia costeira

Herança cultural da Europa vem da mistura da cultura com a África – Embaixadora da UE em Cabo Verde

Santiago Norte: Projecto-piloto propõe turismo sustentável que beneficie empresas locais e comunidade

Porto Novo: Fundo do Turismo recupera ex-edifício camarário para receber centro de interpretação turística

​Isenção total de vistos é objectivo comum, mas há muito caminho a percorrer

Cabo-verdianos não conseguem poupar e não querem comprar casa nem carro

Cabo Verde perde um milhão de turistas por falta de acessibilidades - FECAD

Oásis Atlântico lança projecto turístico no Tarrafal

Criada comissão conjunta para desenvolver projecto de Turismo Seguro para a ilha de Santiago

São Vicente/Economia Marítima: Técnicos chineses na ilha para planeamento da 1ª fase da Zona Especial

Santo Antão: Projecto Raízes concluí caracterização dos caminhos vicinais que vão formar rotas turísticas na ilha

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo