Queijo de Santo Antão premiado em Itália

Único produto cabo-verdiano com a marca Slow Food como património mundial do gosto, atribuída em 2007, o queijo produzido em Santo Antão é resultado de um processamento natural do leite.

A cooperativa dos criadores da montanha, Santo Antão, foi um dos cinco produtores reconhecidos pela Slow Food e pelas autoridades de Piemonte com o prémio Slow Cheese Award, um galardão atribuído de dois em dois anos, desde 2011.

A cooperativa reúne os últimos vinte produtores do queijo do planalto norte de Santo Antão e esteve representada no festival do queijo que decorreu este mês em Bra, Itália, pelo presidente Irineu da Luz.

A distinção é concedida aos artesãos e pastores que rejeitam atalhos e continuam a produzir os seus produtos respeitando a sua naturalidade, tradições e sabores. Além de Cabo Verde, foram homenageados queijeiros dos Estados Unidos da América, da Geórgia e de Itália.

O presidente da cooperativa dos criadores da montanha, Irineu da Luz, disse que estar num festival que reúne mais de 300 exibidores de 23 países diferentes foi “uma experiência muito importante”.

“Nunca imaginei sequer que o nosso produto pudesse um dia estar representado num dos maiores eventos do mundo”, sublinhou ainda o responsável.

Além de ser um alimento que respeita o lema da Slow Food: bom, limpo e justo, o queijo do Planalto Norte foi premiado também pelo que representa em termos de sustentabilidade ambiental e demográfica.

Único produto cabo-verdiano com a marca Slow Food como património mundial do gosto, atribuída em 2007, o queijo produzido em Santo Antão é resultado de um processamento natural do leite, sem a adição de água, sem o uso do fogo, sem ser resfriado ou refrigerado. A produção acontece em Bolona, onde vive um rebanho de sete mil cabras que garante renda e trabalho a mais de 60 famílias.

Fonte: A Nação

Notícias

Mindelo: Atelier de lançamento do projecto sobre a Promoção da Economia Azul reúne principais “stakeholders” da Economia Marítima

São Vicente: Trinta formandos recebem certificados na área de guia de turismo comunitário

Santa Catarina: Assembleia Municipal com Ribeira da Barca na agenda

Santo Antão: Criação do Instituto Superior de Ciências e Tecnologias Agrárias traz à ilha catedráticos de Portugal

Artistas da CPLP pedem "passaporte artístico"

Cabo Verde quer afirmar-se como plataforma tecnológica de referência em África

Novo presidente da AAVT quer transformar agências de viagens

Escavações arqueológicas na Igreja de São Tiago Maior concluídas

Empresários nacionais desafiam Portugal a deslocalizar empresas para Cabo Verde

AJEC propõe plataforma de informações sobre oportunidades de investimentos

Literatura: VIII Encontro de Escritores de Língua Portuguesa acontece de 19 a 21 de Abril na UNICV

Criada equipa que vai coordenar Zona Económica Especial

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

Empresa alemã introduz energia das ondas do mar em Cabo Verde

Santo Antão: Representante da OMS exorta Cabo Verde a preparar-se para enfrentar emergências sanitárias

Santo Antão: Fábrica de sabonetes abre portas no Porto Novo e já cogita exportar para os EUA

Praia: Conjunto Histórico e Arqueológico da Trindade vai ser património nacional – ministro

Ilha do Fogo: Técnicos de Monumentos e Sítios do IPC na região Fogo e Brava para inventariar património cultural imóvel

Emprofac prevê um crescimento de 7% em 2018

Regionalização: Olavo Correia reposiciona-se

Ampliar o mercado africano para os países africanos

PM espera consensos necessários entre os deputados para se avançar com a Regionalização

Directora regional da OMT recomenda diversificação dos modelos de oferta turística em Cabo Verde

Dia Mundial do Teatro: Mindelact distingue jornalista Fonseca Soares com Prémio de Mérito Teatral

Capacidade de alojamento em Cabo Verde aumentou em 18% em 2017 – INE

Uma janela de oportunidade com o tempo contado

Cabo Verde entrega candidatura da morna a património mundial na UNESCO a 26 de Março

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo