UNESCO reitera compromisso com a diversidade linguística como sendo essencial para o desenvolvimento sustentável

A Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) reiterou o seu compromisso com a diversidade e o multilinguismo como sendo essenciais para o desenvolvimento sustentável.

A mensagem da UNESCO é no âmbito da comemoração do Dia Internacional da Língua Materna, assinalado a 21 de Fevereiro, este ano com o tema “Diversidade linguística e multilinguismo contam para o desenvolvimento sustentável”, com o objectivo de preservar a diversidade linguística e promover a educação multilingue baseada na língua materna.

Para a organização, a diversidade linguística está cada vez mais ameaçada, à medida que mais e mais línguas desaparecem, sendo que em média, a cada duas semanas, uma língua desaparece, levando consigo toda uma herança cultural e intelectual.

A UNESCO aproveita o dia para se focar na diversidade linguística e no multilinguismo como parte integrante Objectivo de Desenvolvimento Sustentável (4.6), sobre como “garantir que todos os jovens e uma proporção substancial de adultos, homens e mulheres, obtenham alfabetização e aritmética”.

As Nações Unidas sublinharam, este ano, que as línguas, com suas implicações complexas para identidade, comunicação, integração social, educação e desenvolvimento, são de importância estratégica para pessoas e para o planeta, no entanto, a UNESCO sublinha que, devido aos processos de globalização, estão cada vez mais ameaçadas ou desaparecem por completo.

Mais de 50% das aproximadamente 7.000 línguas faladas no mundo provavelmente morrerão em poucas gerações, conforme a mesma fonte, sendo que 96% dessas línguas são faladas por apenas 4% por cento da população mundial, sem esquecer que algumas centenas de línguas foram “genuinamente privilegiadas” nos sistemas educacionais e no domínio público, e menos de uma centena são usadas no mundo digital.

Em relação ao tema deste ano, “Diversidade linguística e multilinguismo contam para o desenvolvimento sustentável”, a ONU explicou que foi escolhido, porque para promover o desenvolvimento sustentável, os alunos devem ter acesso à educação na língua materna e em outras línguas, lembrando que é através do domínio da primeira língua ou língua materna que as habilidades básicas de leitura, escrita e numérica são adquiridas.

O Dia Internacional da Língua Materna, proclamado pela UNESCO em 1999 e celebrado, anualmente, a 21 de Fevereiro, tem como objectivo a protecção e a salvaguarda das línguas faladas pelos povos em todo o planeta, estimando-se que existam mais de 7.000 línguas em todo o globo, sendo que metade destas corre o risco de vir a desaparecer.

A escolha do dia 21 de Fevereiro para comemorar o Dia Internacional da Língua Materna serve para lembrar a população mundial da tragédia que ocorreu em Fevereiro de 1952, na cidade de Daca, no Bangladesh, em que vários estudantes foram mortos pela polícia enquanto protestavam pelo reconhecimento da sua língua – o bengalês – como um dos dois idiomas oficiais do então Paquistão.

O tema do Dia Internacional da Língua Materna em 2017 foi “Rumo a futuros sustentáveis através da educação multilingue”, e em 2016 foi “Educação de qualidade, linguagem(ns) de instrução e resultados de aprendizagem”.

Fonte: InforPress

Notícias

Ilha do Sal: Segunda edição do Festival Internacional de Literatura arranca esta quinta-feira com cerca de 40 escritores

MCIC apresenta I edição da “Viagem pela história” na Ribeira Grande de Santiago

Maio acolhe “Djarmai Campus-Summer School” em Agosto

Cabo Verde adere a convenções do conselho da Europa sobre proteção de dados e cibercriminalidade

Porto Novo: Operador estrangeiro confirma investimento de 70 mil contos no sector das pescas

O objectivo último é que Cabo Verde, um dia, deixe de precisar da cooperação para o desenvolvimento

Governo dos Açores confiante na cooperação entre ilhas da Macaronésia

Miguel Rosa: “É importante aprender com os erros” do Sal e Boa Vista

Grupo Rangel e Binter CV firmam acordo para o transporte de carga

Vice-Primeiro Ministro assina donativo de 10 milhões de euros com Fundo Orio para o Terminal de Cruzeiros do Mindelo

São Vicente: “Diplomacia gastronómica” como pedra de toque da VI edição do Kavala Fresk Feastival

Editores esperam que presidência da CPLP dinamize literatura e cultura lusófona

Cinquenta jovens iniciam formação em restauração e gestão de ordenamento hoteleiro na EHTCV

Pedro Lopes participa no primeiro programa da Fundação Obama em África Detalhes

Ministério da Cultura realiza 1º Fórum Nacional de Editores e Livreiros de Cabo Verde

“De uma forma geral, em termos de criação de emprego, o impacto do turismo é positivo” – José Gonçalvez

Cabo Verde quer reactivar ligações aéreas com São Tomé e Príncipe

Governo quer fazer deste arquipélago uma Nação “útil” ao mundo no Atlântico Médio

Há oportunidades, mas algum cuidado não faz mal a ninguém

Ministro José Gonçalves representa Cabo Verde na 61ª reunião da Comissão Regional da OMT para a África

Santo Antão: Estância turística de Passagem reaberta na próxima semana com inauguração das obras de reabilitação

Santo Antão: Operadores turísticos desejam criação de uma representação do Ministério do Turismo na ilha

Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” defende criação de órgãos permanentes de tutela e controlo da praia de Fonte Bila

Especialistas do Banco de Portugal não vêem vantagens na euroização da economia cabo-verdiana

Festival de Literatura-Mundo do Sal vai ter extensão em Lisboa este ano e perspectiva Brasil em 2019

Turistas gastam em média 4.518 escudos, por dia, em Cabo Verde

Ilha do Maio: Ministro José Gonçalves faz balanço positivo do encontro de alto nível sobre o turismo

Cabo Verde aproveita cimeira da Macaronésia para se afirmar como ponte entre Europa e África

José Gonçalves quer ilha do Maio com turismo "diferente e planeado"

Santo Antão recebe seminário internacional para debater o turismo ecológico

Agrupamentos competitivos de queijo do Fogo e Boa Vista de olhos no mercado turístico hoteleiro

Sector privado passa a gerir incubadoras de inovação

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo