Regionalização: Olavo Correia reposiciona-se

“O futuro de Cabo Verde não está na regionalização, mas sim na sua abertura ao mundo...”

O vice-primeiro ministro, Olavo Correia, apresentou hoje via Facebook, uma nova posição sobre a regionalização de Cabo Verde. Isto contrariando o que havia dito há uma semana na conferência da JPD, na Assomada, durante a qual defendeu a manutenção de Santiago como uma única região.

Na citada conferência, o vice-prisendente do MpD e vice primeiro-ministro, Olavo Correia, mostrou-se contra a divisão da ilha de Santiago em duas regiões, Norte e Sul. Defendeu, em vez disso, Santiago como uma “ilha unida” e focada na “optimização dos seus recursos”. E alerta: “O futuro de Cabo Verde não está na regionalização, mas sim na sua abertura ao mundo…”, disse na altura.

Por isso, para o número dois do sistema ventoinha, do ponto de vista do desenvolvimento integrado, não faz sentido ter a ilha de Santiago dividida em duas regiões. “A ilha deve ser vista numa lógica de um todo”.

E explicou: “Se olharmos para o espaço que é tão pequeno, devemos pensar na sua unificação numa perspectiva de acrescentar valor. Por isso, não faz sentido ter aqui duas pastas, do ponto de vista político. Temos que olhar Santiago conectada com o mundo a nível tecnológico, dos transportes aéreo e marítimo. Mas também na qualificação dos recursos humanos. Portanto, não devemos pensar de uma forma isolada em Santiago Norte e Sul. É este o desafio”, apontou.

O governante alertou, ainda, que “todos aqueles que estão a pensar que o problema do país pode ser resolvido via regionalização estão completamente enganados. Assim como nunca foi resolvido pela via da descentralização”.

Hoje, segunda-feira, 2, Olavo Correia publicou o seguinte post na sua página de Facebook.

Post publicado na integra:

Regionalização.

Uma necessidade nesta nova fase de desenvolvimento do país.

Nesta nova fase de desenvolvimento de Cabo Verde, o país precisa melhorar a eficiência na governação pública, valorizando as ilhas, os seus talentos, as suas especificidades e seus recursos endógenos.

Apostando na sua abertura e conectividade ao mundo, através dos transportes, da tecnologia e da qualificação dos recursos humanos.

O futuro de Cabo Verde dependerá muito da solução que vier a ser construída para dar resposta a esta necessidade.

Esta nova fase requer sim a aceleração do aprofundamento da descentralização, passando, necessariamente, pela regionalização do país.

O foco tem de ser o desenvolvimento das Ilhas no quadro de “um mundo sem fronteiras e sem limites”.

O MPD e o Governo estão a cumprir.

O Conselho de Ministros acabou de aprovar, por unanimidade, no dia 29 de março, a proposta de lei que cria e regula o modo de eleição, as atribuições e a organização das Regiões Administrativas.

Depois de muito debate no partido e na sociedade.

O debate continua, pois é preciso um consenso político e ao nível da sociedade. Debate aberto, responsável e sem qualquer tabu.

Debate em torno das ideias.

Estamos todos empenhados no partido e no Governo para que a lei seja aprovada.

Participando activamente no debate como vimos fazendo desde sempre.

Todas as ilhas de Cabo Verde têm condições para serem desenvolvidas.

É preciso ousar! Ousar sempre! Sem medo.

Fonte: A Nação

Notícias

Primeira edição de Festival de curtas-metragens apresentada em Mindelo

Empresas alemãs procuram parceiros cabo-verdianos no sector do turismo e energias renováveis

Cabo Verde vai implementar em 2019 projecto subaquático “Margullar” – garante Jair Fernandes

Santa Catarina: Livro “Histórias da História de Santiago” vai ser apresentado quarta-feira em Assomada

Biosfera alerta para atentados à biodiversidade

Livre circulação no topo da agenda da Cimeira do Sal

Duas décadas de estabilidade e de credibilidade para a moeda cabo-verdiana

PR diz ser preciso acarinhar e preservar a língua portuguesa

IGRP Web do NOSi entre o TOP 50 de inovações em África

Cabo Verde e Brasil poderão colaborar a nível do turismo de aventura e comércio de vinhos

Tecnologias: Cinema da Praia recebe a 2ª edição do TEdx Praia

O turismo não pode estar de costas voltadas para as populações

Universidades cabo-verdianas ainda se assemelham aos liceus – reitor da Uni-Piaget

Ilha do Fogo: Universidade de Santiago promove a partir de sábado a IX edição do “Rotas do Arquipélago”

Santo Antão: Aumento do turismo trouxe novas oportunidades de negócios ainda pouco exploradas na ilha – Raízes

Ilha do Fogo: Empresários brasileiros na ilha para desenvolvimento de parcerias no sector do turismo rural

Cabo Verde não vai pedir assistência financeira ao FMI, afirma ministro das Finanças

Governo português analisa entrada da CGD no Fundo Soberano de Cabo Verde

Investigador defende que é necessário entender as reais necessidades da oceanografia costeira

Herança cultural da Europa vem da mistura da cultura com a África – Embaixadora da UE em Cabo Verde

Santiago Norte: Projecto-piloto propõe turismo sustentável que beneficie empresas locais e comunidade

Porto Novo: Fundo do Turismo recupera ex-edifício camarário para receber centro de interpretação turística

​Isenção total de vistos é objectivo comum, mas há muito caminho a percorrer

Cabo-verdianos não conseguem poupar e não querem comprar casa nem carro

Cabo Verde perde um milhão de turistas por falta de acessibilidades - FECAD

Oásis Atlântico lança projecto turístico no Tarrafal

Criada comissão conjunta para desenvolver projecto de Turismo Seguro para a ilha de Santiago

São Vicente/Economia Marítima: Técnicos chineses na ilha para planeamento da 1ª fase da Zona Especial

Santo Antão: Projecto Raízes concluí caracterização dos caminhos vicinais que vão formar rotas turísticas na ilha

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo