“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Viaja com frequência a Cabo Verde, onde já deu aulas. Professor da Universidade de Évora, Portugal, investigador na área de património, Filipe Themudo Barata analisa a importância da memória e o peso da língua na aquisição do conhecimento. Leia um excerto da entrevista gravada em Tenerife e que poderá ler na íntegra, em breve, na edição impressa do Expresso das Ilhas.

Estamos a pôr a história de lado?
Estamos a pôr a história de lado. Nos territórios onde a história tem por base a escrita, a bacia do mediterrâneo, onde a história se escrevia, as fontes estão disponíveis, mas nos países onde a história é construída através da oralidade, isto é mais complicado.

Em África, alguns países piores que outros, é um problema cada vez mais evidente. O mundo urbano cresceu demasiado e todo o conhecimento que era produzido no mundo rural, digamos, mais verdadeiramente, ao ser transferido para a cidade vai-se dissolvendo.

É o caso das línguas que desaparecem.
Desaparecem línguas porque as pessoas envelhecem e perdem-se os últimos falantes de uma determinada língua, mas isso acontece porque essas línguas deixaram de estar nos mercados e nas escolas. Não foram transmitidas. 

Em Cabo Verde ainda acontece uma coisa muito mais interessante, que é o problema de confronto entre o crioulo e a utilização do português.

Dito de outro modo, e é terrível aquilo que vou dizer, ou se comecem a produzir obras cientificamente sustentáveis e válidas em crioulo ou o refúgio no crioulo acabará por isolar os cabo-verdianos do acesso às línguas de produção científica.

Uma discussão muito actual em Cabo Verde.
Uma língua, para poder permanecer, ou pelo menos para as comunidades terem alguma sustentação ou perspectiva de futuro, precisa de ser capaz de se impor ao mundo. Estamos numa globalização e o ensino tem a ver com publicar, disponibilizar ciência, investigar. Isto significa que os alunos que só sabem crioulo, que não sabem outra língua com consistência científica, o resultado é o isolamento. Isolamento, porque não têm acesso a conhecimento que está noutra língua e não se produz conhecimento na sua própria língua. 

Os falantes de uma língua que não tem sustentação técnica e científica correm o gravíssimo risco de se isolarem.

Uma língua não pode existir apenas numa base informal…
A maioria das línguas em África existia na base informal, mas num mundo em que hoje as pessoas querem acesso ao emprego, num mundo em que estamos a competir em todos os sítios, o conhecimento é importante.

Fonte: Expresso das ilhas

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo