Jaime Mayaki, OMT: O turismo não pode continuar a ser pensado como antes

O sistema de all inclusive que tem sido o grande motor do turismo em Cabo Verde não é sustentável e o sector deve seguir novos rumos. De qualquer modo, avalia o vice-director do Programa Regional para África, da Organização Mundial de Turismo (OMT), o país está já na direcção certa e isso denota-se na vontade política e planeamento assumidos para o futuro do sector.

O modelo dos resorts trouxe receitas para Cabo Verde, e terá contribuído até para que este ascendesse a país de rendimento médio. É um facto, aponta Jaime Mayaki. Porém, considera o especialista, este sistema – “uma experiência pela qual Cabo Verde passou”, não pode continuar a ser o caminho.

Aliás, em consonância com as tendências mundiais, e como salienta, “2017 foi declarado pelas Nações Unidas como o ano internacional do turismo sustentável para o desenvolvimento, por forma a chamar a atenção a todos os estados, stakeholders, hotéis, etc.,  de que, de agora em diante, a sustentabilidade tem de ser aplicada à forma como fazem negócio”.

Ou seja, “o negócio não pode ser feito da forma como era feito antes”, resume Jaime Mayaki, que falava aos jornalistas à margem do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local, no qual foi orador no painel interactivo “Turismo e Desenvolvimento Local nos PEIDs”.

Porém, pelo que pôde observar, Cabo Verde já interiorizou essa mudança, pretendendo neste momento apostar num turismo que beneficie a população local e seja desenvolvido de modo sustentável. O representante da OMT,  aponta, elogiando o país, que essa noção está, na realidade, bem plasmada na agenda nacional de desenvolvimento. De acordo com uma análise que realizou aos planos dos seis PEIDs africanos (Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Seychelles, Maurícias e Comores) apenas no de Cabo Verde o turismo é abordado tendo em conta: objectivos, políticas para o sector e um plano de implementação detalhado dessas políticas. “Apenas Cabo Verde contempla estes três critérios”, sublinha.

O próprio facto do sector estar inserido num ministério que contempla a Economia e o Emprego, é para o especialista, positivo pois permite “uma visão e abordagem holística de como o sector deve ser tido em conta”.

Assim, ressalta: “há um pensamento e planeamento detalhados e penso que Cabo Verde está na direcção certa. Obviamente vai levar algum tempo, mas a vontade política existe, isto é o mais importante. O efeito bola de neve estará lá”.

Jaime Mayaki adverte porém que é “essencial” envolver as comunidades em todo o processo de tomadas de decisão e implementação das políticas do turismo, consultando-as, engajando-as e empoderando-as. E é necessário, não só assegurar que existem “benefícios equitativos do turismo dentro das comunidades” como “promover interacções benéficas entre as comunidades e os turistas”. Isto, até por forma a evitar a turismofobia (rejeição e atitudes violentas contra turistas) como já se tem vindo a verificar noutros pontos do mundo, nomeadamente na Europa.

 

Isenção de vistos é positiva

O vice-director do Programa Regional para África saudou também a já manifestada vontade do governo de isentar os turistas europeus e britânicos, de vistos.

“O ‘visa free’ é uma oportunidade para qualquer país”, disse, acrescentando que tanto do seu ponto de vista pessoal como no da OMT, limitar o movimento das pessoas é negativo não só de um ponto de vista social e humano, como económico.

Na realidade, tudo o que contribua para facilitar a mobilidade – incluindo o visto electrónico – deve ser visto como um activo.

Por isso, e salvaguardando que a muito criticada questão da reciprocidade deve ser discutida a um nível político, do ponto de vista do turismo esta é uma “boa medida”, considera.

 

Promover o turismo intra-regional

Entretanto, falando a um nível mais abrangente, Jaime Mayaki sublinhou a importância de promover o turismo intra-regional. Para tal, há que ultrapassar diversos desafios, nomeadamente o da conectividade e da  facilitação de vistos entre países africanos de blocos diferentes.

A Segurança é outro dos destaques. Basta ver, como observa Jaime Mayaki, que grande parte dos ataques terroristas que África sofreu em anos recentes, tiveram como alvo infra-estruturas turísticas e turistas. “Tunísia, Cote d’Ivoire, Mali, Burkina Faso… Foram eventos que afectaram o sector turístico. A Tunísia só agora está a recuperar e os últimos anos foram muito difíceis para eles,” lamentou.                                  

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 830 de 25 de Outubro de 2017. 

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo