INIDA já tem laboratório para certificação de alimentos que deve estar a funcionar até setembro

A presidente do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário (INIDA), Ângela Moreno, anunciou hoje que a instituição já tem um laboratório para a certificação de produtos e que deve estar a funcionar até setembro.

O anúncio foi feito pela responsável, na cidade da Praia, em declarações à imprensa, à margem do workshop de divulgação do projeto da área GLOBAL para promover a partilha de conhecimento e tecnologia entre a Europa, África e América Latina no setor agrícola, alimentar e florestal, promovido em parceria com a Inovisa Portugal.

“Neste momento, o INIDA já tem um laboratório para certificação de alimentos, faltando apenas equipar as salas. A nossa aposta é que até o mês de setembro estejamos a certificar todos os produtos que os agricultores produzam com qualidade, como queijo, aguardente, entre outros”, assegurou Ângela Moreno.

Para a presidente, os agricultores nacionais devem apostar na inovação para aumentar a produção e a qualidade, sendo que em vez de fazer a mesma cultura que o outro agricultor para chegar ao mercado e vender a baixo preço, deve empenhar-se nas culturas que são mais rentáveis e que têm um mercado garantido.

“Que ninguém diga que em Cabo Verde não tem mercado. A nível nacional, não temos capacidade de responder às demandas, porque temos hotéis na Boa Vista e na ilha do Sal que estão completamente abertos em receber toda a produção agrícola nacional”, assegurou Ângela Moreno.

Neste sentido, a presidente do INIDA notou que, para além do laboratório de certificação, a outra aposta do Governo, através do Ministério da Agricultura e Ambiente, é começar a alavancar os diferentes centros pós-colheita existentes em Cabo Verde, para “servir de inovação e triagem de produtos de qualidade” para colocar no mercado nacional.

INIDA já tem laboratório para certificação de alimentos que deve estar a funcionar até setembro

A presidente do Instituto Nacional de Investigação e Desenvolvimento Agrário (INIDA), Ângela Moreno, anunciou hoje que a instituição já tem um laboratório para a certificação de produtos e que deve estar a funcionar até setembro.

O anúncio foi feito pela responsável, na Cidade da Praia, em declarações à imprensa, à margem do workshop de divulgação do projeto da área GLOBAL para promover a partilha de conhecimento e tecnologia entre a Europa, África e América Latina no setor agrícola, alimentar e florestal, promovido em parceria com a Inovisa Portugal.

“Neste momento, o INIDA já tem um laboratório para certificação de alimentos, faltando apenas equipar as salas. A nossa aposta é que até o mês de setembro estejamos a certificar todos os produtos que os agricultores produzam com qualidade, como queijo, aguardente, entre outros”, assegurou Ângela Moreno.

Para a presidente, os agricultores nacionais devem apostar na inovação para aumentar a produção e a qualidade, sendo que em vez de fazer a mesma cultura que o outro agricultor para chegar ao mercado e vender a baixo preço, deve empenhar-se nas culturas que são mais rentáveis e que têm um mercado garantido.

“Que ninguém diga que em Cabo Verde não tem mercado. A nível nacional, não temos capacidade de responder às demandas, porque temos hotéis na Boa Vista e na ilha do Sal que estão completamente abertos em receber toda a produção agrícola nacional”, assegurou Ângela Moreno.

Neste sentido, a presidente do INIDA notou que, para além do laboratório de certificação, a outra aposta do Governo, através do Ministério da Agricultura e Ambiente, é começar a alavancar os diferentes centros pós-colheita existentes em Cabo Verde, para “servir de inovação e triagem de produtos de qualidade” para colocar no mercado nacional.

Fonte: Sapo Notícias

Notícias

Santo Antão: Vinda de turistas islandeses à ilha confirma que turismo local está a conquistar novos mercados na Europa

Cabo Verde precisa de um quadro regulatório mais forte de integração entre a biodiversidade e o turismo

Sal: Praia de Santa Maria poderá hastear Bandeira Azul dentro de três anos – Biosfera1

Praias de Cabo Verde com condições para Bandeira Azul após aplicação de medidas – ONG

Primeiros inspetores chefes da PJ de Cabo Verde com formação da congénere portuguesa