Governo quer que todos sejam parte das soluções para o país

Os desafios da governação impõem hoje uma maior participação dos cidadãos e diferentes players. Assim, é preciso que o governo tenha capacidade para criar condições para o envolvimento participativo no processo de desenvolvimento, permitindo que todos sejam parte da solução, considerou esta segunda-feira, o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças Olavo Correia.

“Governar hoje é diferente de governar ontem. Hoje há mais exigência, é preciso uma governação mais participativa, é preciso que o governo tenha a capacidade para envolver todos n o processo de desenvolvimento”, explicitou à margem da conferência internacional sobre os desafios da “Governação e a problemática da participação pública nos processos de decisão”, organizada pelo Ministério das Finanças, em parceria com a ENG - Escola de Negócios e Governação da UNI-CV.

Entre os desafios actuais da governação, Olavo Correia salientou a necessidade de “fazer as coisas acontecerem”, de maneira veloz e resultados à vista “para que os cidadãos possam perceber que estamos a governar para servir as pessoas, as empresas, e as instituições”.

Assim, garante, o governo está “focado” em apresentar “soluções concretas para o país, com a participação de todos”. Exemplo disso serão já, por exemplo, a forma participativa como foi elaborado do Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável ou o processo de elaboração do orçamento”.

“Governar hoje não é decretar, fazer leis, regulamentos. É envolver, liderar, e para liderar é preciso que tenhamos em conta a opinião dos outros, ouvi-los, poder ter as suas contribuições, para que todos possam ser parte do processo e da solução e não apenas parte do problema”, resumiu.

O evento teve como objectivo promover o debate e ver “as melhores metodologias, espaços e práticas adequados” ao melhor aproveitamento das capacidades da sociedade civil, explicou o governante.

Na mesma conferência, que foi proferida pelos Professores e Investigadores da Universidade de Aveiro, Carlos José Rodrigues e Eduardo Anselmo Castro, foram então apontadas as vantagens e dificuldades (mitos) da participação, bem como instrumentos e métodos que podem tornar os processos participativos mais eficazes e consequentes».

Na sua alocução Carlos José Rodrigues destacou alguns desafios, ou dimensões, da participação pública a que as metodologias de desenvolvidas devem dar resposta.

Entre elas está por exemplo a tensão entre conhecimento técnico versus a expectativas das massas, que é necessário ter em conta em vários processos participativos. E está também a necessidade de cedência de poder e consenso por entre uma complexa teia de interesses, competências ou culturas. Falou ainda da necessidade de se haver um método que vá para além da pergunta básica do que os cidadãos querem (que, por si só, comprovadamente não resulta).

Eduardo Castro deu continuidade à análise do tema, mostrando formas de estruturar a participação pública, tendo em conta diferentes variáveis que acompanham este e todos os processos que são complexos.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

Governo: Cabo Verde assume presidência do Conselho de Ministros da CPLP com humildade e sentido de responsabilidade

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Caso de cancelamento de voos: Chega o primeiro Boeing, mas as ligações para rota das Américas podem não começar de imediato

Cimeira CPLP: Empresários querem que dinâmica do pilar económico comece a fazer-se sentir “de facto”

Pedro Morais: “Temos de transformar a História de São Nicolau em valor, em produto para vender”

Santo Antão: Raízes aposta na criação de “novas dinâmicas” para um turismo rural de qualidade na ilha

São Vicente: Carnaval do Mindelo “desembarca» na Nigéria a convite do Afreximbank

São Domingos: Autarquia aposta na requalificação urbana e promoção das ofertas turísticas

Cesária Évora homenageada no festival O Sol da Caparica

Obra de Dina Salústio entre os finalistas ao Prémio PEN de tradução

Porto Novo: Operadores turísticos avaliam os primeiros três meses do andamento do projecto Rotas das Aldeias Rurais

Instituto da Macaronésia propõe criar soluções para produção de água através do uso das energias renováveis

Plataforma IGRP Web é uma rede electrónica para a criação do emprego jovem – responsável

São Vicente: Carnaval de Verão com divulgação na Europa e no Brasil – organização

São Salvador do Mundo: Arrancam as obras do centro de transformação de produtos agrícolas

Santiago Norte: Projecto capacita jovens para área do turismo com foco na conservação da biodiversidade

Governo quer atrair investimentos da Diáspora com o Estatuto do Investidor Emigrante

Recomendação para ouvir: Mornas ao Piano - mais do que um disco … estórias sentidas e c(o)antadas

Regressa o Campus África, por uma ‘Macaronésia do conhecimento’

Operadores em Santo Antão querem atacar mercado africano

«Há interessados no mercado doméstico de transporte aéreo» - Olavo Correia

Governo sublinha papel da China na produção audiovisual em Cabo Verde

Bienal de Dança de Veneza entrega hoje Leão de Prata a Marlene Monteiro Freitas

OMS saúde progressos na melhoria das condições de vida da população em Cabo Verde

Três mil cabo-verdianos obtiveram nacionalidade Portuguesa em 2017

Sal: Festival Literatura-Mundo foi “fantástico” reunindo gente e escritores premiados de diferentes latitudes, dizem participantes

TradeInvest e Bringbuys assinam memorando para criação de polo tecnológico

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo