Governo quer atrair investimentos da Diáspora com o Estatuto do Investidor Emigrante

O Estatuto do Investidor Emigrante faz parte de um conjunto de medidas que o Governo tem na área económica voltadas para a nossa diáspora.

O Ministro de Estado, dos Assuntos Parlamentares e da Presidência do Conselho de Ministros, Fernando Elísio Freire, adiantou, no Parlamento, que o Governo quer atrair a diáspora cabo-verdiana para investir no país, através do Estatuto do Investidor Emigrante, criando um quadro de incentivos, benefícios e facilitação de relacionamento com o Estado e sectores de investimento.

Conforme salientou Elísio Freire, os benefícios e a facilitação de relacionamento com o Estado e sectores de investimentos irão permitir aos emigrantes cabo-verdianos obterem um investimento mais rápido e com condições vantajosas em Cabo Verde.

“O Estatuto do Investidor Emigrante faz parte de um conjunto de medidas que o Governo tem na área económica voltadas para a nossa diáspora, que tem grande potencial e vontade de investimento no país”, explicou.

Segundo avançou o ministro, o Governo pretende levar esta medida, que está a ser feita em concertação com os deputados, ao Parlamento no sentido de ser uma lei que seja de facto abordada de forma transversal, com grande envolvimento de todos os sujeitos políticos e parlamentares, porque o que está em causa é a atracção da poupança dos emigrantes cabo-verdianos.

“Queremos romper a forma de ver os emigrantes cabo-verdianos apenas como quem envia remessas e dinheiro, para vê-los como um cidadão cabo-verdiano que reside fora do país, mas que investe e que tem direitos e garantias em Cabo Verde”, esclareceu.

Apesar de haver um Estatuto de Investidor Externo que se aplica em parte à emigração cabo-verdiana, naturalmente que o Governo deve dar à diáspora um outro nível em alguns aspectos, frisou Fernando Elísio Freire.

“É neste sentido que estamos a trabalhar, procurando um quadro dentro do Código de Benefícios Fiscais para enquadrar a nossa diáspora que está ciente da sua relação com Cabo Verde, mas que também quer investir”, concluiu.

Fonte: A Nação

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo