Cabo Verde estuda possibilidade de se tornar em extensão do espaço Shengen

O ministro dos Negócios Estrangeiros de Cabo Verde, Luís Filipe Tavares, revelou, quarta-feira, na cidade da Praia, que o país está a estudar a possibilidade de se tornar numa extensão do espaço Shengen de livre circulação nos países europeus signatários do respetivo acordo, apurou a PANA de fonte segura.

O chefe da diplomacia cabo-verdiana considerou que se trata de "algo muito interessante para o país", mas que requer um estudo aprofundado e feito com calma, estando a questão em cima da mesa.

"Queremos que Cabo Verde seja um país seguro, que garanta a segurança das pessoas que venham para Cabo Verde e sobretudo daquelas que saiam de Cabo Verde para todos os países do mundo. É nesse quadro, e também no quadro do desenvolvimento económico que queremos para o nosso país, que estamos a fazer esta reflexão", anotou.

Luís Filipe Tavares disse ainda que, no âmbito dessa reflexão, Cabo Verde quer encontrar "a melhor forma de abordar a questão e levar essa discussão às entidades internacionais" com as quais o país vai ter que cooperar nesta matéria.

O governante destacou, a propósito, as "excelentes relações" do arquipélago cabo-verdiano com a União Europeia, sublinhando que existe um futuro que pode ser útil às duas partes.

"O quadro está à nossa frente, vamos trabalhar com humildade tentando defender os interesses do nosso país. Acreditamos que Cabo Verde e a União Europeia têm um futuro à frente que pode ser útil tanto para a União Europeia como para Cabo Verde", precisou.

Também o primeiro-Ministro Ulissses Correia e Silva já tinha revelado, terça-feira última, na cidade do Porto Novo, na ilha de Santo Antão, que o seu Governo encara com “muito interesse" a possibilidade de Cabo Verde vir a acolher uma espécie de extensão do espaço Schengen, ideia que já está a ser discutida com a União Europeia.

Ulisses Correia e Silva explicou que a ideia é criar um "tipo de uma extensão do espaço Schengen em Cabo Verde” que permita a “libertação de encargos com trabalhos administrativos e custos associados da emissão de vistos".

Esta questão surge numa altura em que Cabo Verde está a ter “um forte crescimento” em termos de turismo, sendo intenção do Governo “criar todas as condições para que o fluxo de turistas aumente em qualidade e possamos reduzir algumas barreiras”, avançou Ulisses Correia e Silva, que esteve, nos últimos, em França, a convite do seu homólogo francês para participar numa conferência sobre a governação aberta.

Em declarações à imprensa em Santo Antão, o primeiro-ministro explicou que a maior parte dos turistas que chega a Cabo Verde é de origem europeia e a intenção é criar todas as condições para que o fluxo de turistas aumente, reduzindo “algumas barreiras", no quadro da parceria para mobilidade que existe com a União Europeia e projetar, no futuro, a possibilidade de se ter essa relação bilateral, "para que os Cabo-verdianos possam também circular com liberdade no espaço Schengen”.

O espaço Schengen resultou de um acordo rubricado por 30 países europeus, incluindo todos os integrantes da UE (excepto a Irlanda e o Reino Unido) e três países não membros da UE, designadamente a Islândia, a Noruega e a Suíça.

Trata-se de uma convenção entre países europeus sobre uma política de abertura das fronteiras e a livre circulação de pessoas entre os países signatários.

Fonte: Panapress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”