São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebraram acordos de isenção de vistos e de reconhecimento mútuo das cartas de condução, referiu hoje fonte governamental são-tomense.

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebraram acordos de isenção de vistos e de reconhecimento mútuo das cartas de condução, referiu hoje fonte governamental são-tomense.

Um acordo bilateral nesse sentido foi assinado terça-feira na cidade cabo-verdiana de Mindelo, pelos ministros dos Negócios Estrangeiros dos dois países, Elsa de Barros Pinto (São Tomé e Príncipe) e Luís Filipe Tavares (Cabo Verde).

“Para nós, a questão da mobilidade existe, é exequível e está mais do que formatada”, disse a ministra são-tomense dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, Elsa Pinto.

“As portas estão abertas para os cabo-verdianos e as portas estão abertas para os são-tomenses”, acrescentou.

A assinatura deste acordo antecipa a conferência dos ministros da diplomacia da CPLP que decorre hoje, sob o tema da mobilidade.

“Nos estivemos em São Tomé e os cabo-verdianos e são-tomenses disseram-nos: nós temos dificuldades em conduzir em Cabo Verde porque não temos reconhecimento automático da nossa carta de condução e vice-versa. Os cabo-verdianos que foram para lá também nos disseram a mesma coisa”, justificou, por seu turno, o chefe da diplomacia cabo-verdiana, Luís Filipe Tavares.

O chefe da diplomacia cabo-verdiana espera que a assinatura de acordo entre o seu país e São Tomé constitua um passo para a aprovação da livre circulação na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

“Durante a presidência de Cabo Verde na CPLP nós queremos fazer avançar este dossier da mobilidade. É a prioridade das prioridades, aliás é a prioridade absoluta de Cabo Verde. Estamos a trabalhar, os dados que temos apontam no sentido de o conseguirmos até o final da nossa presidência”, assegurou Luís Filipe Tavares.

Na reunião bilateral também se discutiu a reativação da comissão mista entre os dois países, suspensa há vários anos.

Em São Tomé e Príncipe há uma grande comunidade cabo-verdiana, herdeira das transferências forçadas de pessoas para trabalhar nas roças da então colónia portuguesa, antes de 1975.
Fonte: A Nação

Notícias

Ponta Calhetona recebeu investimentos de cerca de 12 mil contos

NOSi Akademia recebe mais 48 estagiários

Cabo Verde Airlines começa hoje a ligar as ilhas

Ribeira das Patas Porto Novo: Grupos de mulheres apostam na transformação de frutas para garantir auto-emprego

Cabo Verde Airlines reforça voos para Lisboa com chegada de Boeing 737-300