Santa Luzia: Mais de 20 toneladas de lixo recolhidas em três dias

Cerca de 90% do lixo é de origem pesqueira – redes de pesca, linhas, boias, covos e bandejas de transporte de pescado

Mais de 20 toneladas de lixo foram recolhidas durante os três dias de campanha – de 10 a 14 – por 30 pessoas, entre voluntários das universidades do Mindelo e Lusófona, técnicos da Direção Nacional de Ambiente e do Global Seashepherd na ilha de Santa Luzia.

Segundo o presidente do Biosfera Cabo Verde, cerca de 90% do lixo é de origem pesqueira – redes de pesca, linhas, boias, covos e bandejas de transporte de pescado.

Este resultado leva Tommy Melo a fazer um balanço positivo desta ação de recolha de lixo, grande parte descartado por navios de pesca industrial, mas que não são identificáveis. “Felizmente, conseguimos identificar parte dos materiais que são usados por alguns países, caso por exemplo da Mauritânia. Vamos informar estes países que o seu lixo está a invadir zonas de nidificação de tartaruga na ilha de Santa Luzia e tentar sensibilizá-los. Sabemos que são países que têm preocupações ambientais, pelo que vamos ver se nos ajudam a tirar este lixo da ilha de Santo Luzia”, diz Tommy Melo.

Parte do lixo identificado, cerca de duas toneladas, foi trazidos para São Vicente a bordo do navio Seashepherd, parceira da Biosfera. O resto foi acondicionado em um buraco. “Acondicionamos cerca de 18 toneladas de lixo, não identificado, até que encontrarmos uma forma de retirar os detritos da ilha. Neste sentido, já lançámos uma campanha internacional para os grandes parceiros de Cabo Verde – os Estados Unidos e algum país da Europa – arranjarmos um helicóptero para trazer o lixo para a lixeira em S.Vicente”.

Nas campanhas realizadas em anos anteriores na ilha desértica de Santa Luzia, diz Melo, o lixo recolhido era queimado no local, até porque é preciso percorrer cerca de três quilómetros a pé até chegar ao navio. Neste momento porque Santa Luzia está a concorrer ao selo de garantia “Ilhas sustentáveis” não pode seguir por esta via. Isso porque, afirma, um dos critérios para conseguir este selo é evitar a queima do lixo.

Fonte: A Nação

Notícias

Santo Antão: Vinda de turistas islandeses à ilha confirma que turismo local está a conquistar novos mercados na Europa

Cabo Verde precisa de um quadro regulatório mais forte de integração entre a biodiversidade e o turismo

Sal: Praia de Santa Maria poderá hastear Bandeira Azul dentro de três anos – Biosfera1

Praias de Cabo Verde com condições para Bandeira Azul após aplicação de medidas – ONG

Primeiros inspetores chefes da PJ de Cabo Verde com formação da congénere portuguesa