Presidente Marcelo: Nenhum outro povo está unido como os cabo-verdiano e português pela morabeza e pela saudade

O Presidente português foi, esta terça-feira, recebido calorosamente na cidade cabo-verdiana do Mindelo, na ilha de São Vicente, onde considerou que os povos de Portugal e Cabo Verde estão unidos pela morabeza e pela saudade como nenhum outro

Conforme a Lusa, quando chegou ao largo da Câmara Municipal, vindo da ilha de Santiago, de avião, Marcelo Rebelo de Sousa tinha à sua espera muitas dezenas de pessoas, que o saudaram com aplausos e palavras de boas-vindas. O chefe de Estado português percorreu todo o largo, distribuindo abraços e beijos, enquanto uma banda tocava a marcha "Lisboa Antiga".

Entretanto começou a chuviscar. "O senhor veio trazer a chuva para Cabo Verde", exclamou uma mulher citada pela agência portuguesa de notícias. Depois, num discurso durante uma sessão solene na Câmara Municipal de São Vicente, em que recebeu as chaves da cidade, Marcelo Rebelo de Sousa manifestou-se emocionado e agradecido com esta recepção calorosa que, disse, "toca o fundo do coração do Presidente da República Portuguesa".

"Não há nenhum outro povo do mundo que tenha em comum como nós temos estas duas realidades, morabeza e saudade, que são inseparáveis", acrescentou.

A palavra morabeza, acrescenta a Lusa, é um regionalismo crioulo de Cabo Verde, que significa afabilidade, amabilidade, gentileza. "Onde há morabeza, há saudade. Há saudade, porque há morabeza", considerou o Presidente português, que terminou assim, no Mindelo, a sua visita de estado de quatro dias a Cabo Verde

Fonte: A Semana

Notícias

IPC realiza primeiro mergulho em arqueologia subaquática no ancoradouro da Cidade Velha

Biblioteca Nacional lança reedição de “Chiquinho” e promete edição de seis obras por ano

NOSi poderá representar um suporte do desenvolvimento tecnológico para construção de uma sociedade digital no país – PR

Lançamento do projecto sobre a Promoção da Economia Azul reúne principais gestores da Economia Marítima

Mindelo: Atelier de lançamento do projecto sobre a Promoção da Economia Azul reúne principais “stakeholders” da Economia Marítima

São Vicente: Trinta formandos recebem certificados na área de guia de turismo comunitário

Santa Catarina: Assembleia Municipal com Ribeira da Barca na agenda

Santo Antão: Criação do Instituto Superior de Ciências e Tecnologias Agrárias traz à ilha catedráticos de Portugal

Artistas da CPLP pedem "passaporte artístico"

Cabo Verde quer afirmar-se como plataforma tecnológica de referência em África

Novo presidente da AAVT quer transformar agências de viagens

Escavações arqueológicas na Igreja de São Tiago Maior concluídas

Empresários nacionais desafiam Portugal a deslocalizar empresas para Cabo Verde

AJEC propõe plataforma de informações sobre oportunidades de investimentos

Literatura: VIII Encontro de Escritores de Língua Portuguesa acontece de 19 a 21 de Abril na UNICV

Criada equipa que vai coordenar Zona Económica Especial

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

Empresa alemã introduz energia das ondas do mar em Cabo Verde

Santo Antão: Representante da OMS exorta Cabo Verde a preparar-se para enfrentar emergências sanitárias

Santo Antão: Fábrica de sabonetes abre portas no Porto Novo e já cogita exportar para os EUA

Praia: Conjunto Histórico e Arqueológico da Trindade vai ser património nacional – ministro

Ilha do Fogo: Técnicos de Monumentos e Sítios do IPC na região Fogo e Brava para inventariar património cultural imóvel

Emprofac prevê um crescimento de 7% em 2018

Regionalização: Olavo Correia reposiciona-se

Ampliar o mercado africano para os países africanos

PM espera consensos necessários entre os deputados para se avançar com a Regionalização

Directora regional da OMT recomenda diversificação dos modelos de oferta turística em Cabo Verde

Dia Mundial do Teatro: Mindelact distingue jornalista Fonseca Soares com Prémio de Mérito Teatral

Capacidade de alojamento em Cabo Verde aumentou em 18% em 2017 – INE

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo