PM lança medidas que estimulam a boa governança corporativa

O Governo garante que está empenhado em criar todas as condições para que a boa governança das empresas se entranhe em Cabo Verde como algo culturalmente aceite, desejado e valorizado, afiançou o Primeiro-ministro, Ulisses Correia e Silva, para quem uma das condições para a boa governança corporativa empresarial é a estabilidade económica, a transparência e a disciplina financeira. Pelo que avançou com um conjunto de medidas que o seu governo tem em curso neste sentido.

De acordo com uma noticia publicada na página oficial do Executivo, o Chefe de Governo anunciou estar em curso varias medidas. São os casos da "reestruturação e a privatização de empresas de capitais públicos para reduzir os elevados riscos fiscais e melhorar a eficiência da economia; o Programa de redução progressiva da dívida pública e uma lei de bases da dívida pública a ser apresentada ao Parlamento neste semestre; a criação do Conselho de Finanças Públicas; assim como medidas para introduzir eficácia na prevenção e repressão da fraude, evasão fiscal e enriquecimento ilícito, e o reforço da atividade inspetiva e fiscalizadora do Estado”, enumerou.

Do mesmo modo, são apontadas, entre outras medidas, a reestruturação das agências de regulação económica, a criação de um sistema institucional que garante o combate sistemático e permanente à corrupção, a reforma do código de empresas comerciais e registo de firma e, ao nível do mercado de capitais, a criação de um sistema de reporte e alteração pontual ao código de valores de mercado mobiliários, designadamente no respeitante à divulgação de transações de dirigentes de sociedades cotadas e lista de pessoas com acesso à informação privilegiada.

O que se quer, conforme o Primeiro-ministro, é valorizar o ativo confiança. “Confiança, estabilidade, capital humano de excelência e cosmopolitismo devem ser erigidos como elementos distintivos com os quais Cabo Verde se deve afirmar no concerto das nações e elementos que devem enformar o ambiente em que os investidores e as empresas operam”, reiterou Ulisses Correia e Silva, considerando ser a tarefa maior que tem em mãos atualmente.

Outra tarefa importante, acrescentou o chefe do Executivo, é orientar a governança corporativa do Estado para através de estímulos apropriados, em liberdade e em respeito pela autonomia das pessoas e das organizações, libertar as energias criadoras, inovadoras e participativas dos indivíduos, na família, na escola, na universidade, na empresa para a criação de valor económico, social, cultural e ambiental.

Mesmo porque, disse, a boa governança corporativa das empresas é importante para a eficiência da economia. “A tendência redutora de olhar para a empresa apenas como a entidade do patronato e dos acionistas descuida a visão sobre a sua grande responsabilidade económica e social pela riqueza que cria, emprego que cria, aquisições que faz, satisfação de necessidades com a oferta de bens e serviços que faz, a inovação que produz, os impostos que paga”, anotou.

Essas considerações foram feitas no quadro do discurso do Primeiro-ministro proferido na abertura da conferência “Governança Corporativa”, promovida, esta terça-feira, 6, pelo Ministério das Finanças, em parceria com a Escola de Negócios e Governação (ENG) da Universidade de Cabo Verde (UNICV).

Fonte: A Semana

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo