“Na bancada todos têm opinião”, a resposta de Olavo Correia a José Maria Neves

Depois de, ontem, José Maria Neves ter feito críticas à forma como o governo tem vindo a gerir o negócio da TACV, o ministro das Finanças respondeu dizendo que encontrou uma empresa “completamente falida”.

“Na bancada todos têm opinião. O Sr. José Maria Neves esteve 15 anos para fazer aquilo que devia fazer e não fez. Deixou uma empresa (TACV) completamente falida, só em estudos económicos gastou mais de 7 milhões de euros. Deixou um país sem qualquer visão do ponto de vista dos transportes aéreos e agora vem nos dar lições em como devemos actuar? Em qualquer perspetiva, não pode querer dar-nos lição”, apontou Olavo Correia no final de uma visita a uma das maiores empresas grossistas do país.

Mais uma vez o ministro que tutela a pasta das Finanças pediu: “Dêem-nos tempo que nós iremos apresentar uma boa solução em matéria de hub aéreo ao país”. E prosseguiu dizendo que o governo está a “trabalhar com responsabilidade, com estudos, com pareceres de quem conhece o negócio, para que possamos estruturar da melhor forma este hub. Há muitas companhias aéreas interessadas em Cabo Verde e sempre tenho dito que este é um processo complexo, difícil, exigente, que comporta riscos, mas nós estamos a trabalhar para trazer uma boa solução para o país. O Governo está muito optimista em como será possível a boa solução”.

O ministro garantiu igualmente que o “Afreximbank, há pouco dias, demonstrou engajamento em financiar o conceito do Governo em matéria de hub. Quando apresentamos o plano de negócio ficaram convencidos em como estamos no caminho certo”.

Para Olavo Correia o governo tem uma certeza: “O hub aéreo de Cabo Verde tem de ser um negócio, não pode ser a vontade de cada um. E os negócios têm de ser feitos na base de rentabilidade. Não podemos criar uma nova TACV, no sentido de que o Estado vai continuar a subsidiar com recursos que não tem. Isso deve ser feito numa base de racionalidade económica e financeira. É isto que o Governo está a tentar colocar sobre a mesa. Penso que devemos deixar a emoção de lado, porque o que está em causa são os recursos dos contribuintes e têm que ser geridos com base nos critérios de rentabilidade, da eficiência e da boa governação”.

Quanto ao contracto celebrado com a Icelandair o ministro das Finanças esclareceu que brevemente  “os cabo-verdianos vão ter toda a informação relativa ao contrato feito com a Icelandair. Estamos a trabalhar com toda transparência e numa fase inicial não podemos partilhar tudo, porque num processo de privatização é preciso que determinadas informações sejam reservadas para que possamos proteger o interesse público. No momento certo todos vão saber toda a informação”.
“É preciso paciência e calma e menos ruídos, sobretudo por parte daqueles que estiveram 15 anos para apresentar uma solução ao país e deixaram uma empresa falida, sem qualquer perspectiva”, concluiu.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”