NOSI de Cabo Verde aloja todos servidores da Internet da CEDEAO

O Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSI) de Cabo Verde passa a alojar todos os servidores do sistema hipertextual que opera através da Internet (web) da Comunidade Económica dos Estados da Africa Ocidental (CEDEAO) , bem como de algumas instituições da sub-região oeste-africana.

O protocolo para que todos os serviços Web da organização passem a ficar alojados no Centro de dados do Estado de Cabo Verde, gerido pelo NOSI, foi assinado no âmbito da visita duma delegação da Comissão da CEDEAO, encabeçada pelo seu presidente, Marcel Alain de Souza, iniciada segunda-feira última, 13 de fevereiro, com o propósito de promover um maior envolvimento do país na comunidade com vista a acelerar a sua integração económica no bloco sub-regional. 

Em declarações à imprensa no âmbito de uma visita efetuada às instalações do NOSI, na cidade da Praia, o comissário para as Telecomunicações e Tecnologias da Informação e Comunicação da CEDEAO, Isaías Barreto, adiantou que, com este acordo, se vai proceder à transferência  desses serviços antes alojados na Europa, “que estão fora da nossa sub-região para os colocarmos todos num país membro".

“Antes de tomarmos essa decisão, fizemos uma análise comparativa entre o Banco de Dados Center do NOSI e as várias outras da sub-região e desse estudo chegamos à conclusão de que aqui temos um bom binómio, ou seja, qualidade e preço de serviços”, explicou, lembrando que Cabo Verde ocupa “lugares cimeiros” a nível da governação eletrónica na sub-região e no continente africano.

Isaías Barreto, primeiro comissário cabo-verdiano a integrar a Comissão da CEDEAO, esclareceu ainda que a instalação dos serviços de hosting (alojamento da Internet), web e housing (acesso à Internet) dos servidores da no Data Center do NOSI, na cidade da Praia, significa também que vai haver uma maior transparência na gestão da “coisa pública”, através da governação eletrónica e em que serão abrangidas todas as instituições das agências especializadas da CEDEAO”.

“Obviamente, isto é uma mais valia para a nossa instituição, todas as agências especializadas e também para o NOSI”, precisou.

Fonte: Panapress

Notícias

Fundação Maio Biodiversidade há 12 anos a preservar a riqueza natural da ilha

Produtos hortícolas de Cabo Verde têm menos pesticidas do que os importados, explica director nacional do Ambiente

Santo Antão: Vinda de turistas islandeses à ilha confirma que turismo local está a conquistar novos mercados na Europa

Cabo Verde precisa de um quadro regulatório mais forte de integração entre a biodiversidade e o turismo

Sal: Praia de Santa Maria poderá hastear Bandeira Azul dentro de três anos – Biosfera1