Ministro do Comércio e Indústria reitera engajamento do Governo no cumprimento dos acordos assinados com a CCS

O ministro do Comércio e Indústria, Alexandre Monteiro, afirmou hoje que o ”foco imediato” do Governo é trabalhar para acelerar as delegações das competências previstas no âmbito do acordo assinado com à Câmara de Comércio de Sotavento (CCS).

Alexandre Monteiro fez hoje a sua primeira visita institucional à Câmara de Comércio de Sotavento, na Cidade da Praia, com o objectivo de reafirmar o empenho e disponibilidade do Governo em reforçar e continuar um “importante diálogo” com à CCS.

Em 2017, a Câmara do Comércio de Sotavento, juntamente com a sua congénere de Barlavento e a Câmara de Turismo de Cabo Verde, assinaram com o Governo três acordos considerados essenciais, designadamente, o de para a melhoria do ambiente de negócios e o reforço da competitividade da economia nacional, o acordo para delegação de competências do sector público para o sector privado e o acordo para a reforma da política industrial em Cabo Verde.

Segundo o governante, durante esta visita , abordaram questões relacionadas com a melhoria do ambiente de negócio no país e acções importantes que resultam na implementação de acordos existentes entre o Governo e as câmara de comércio, em relação ao licenciamento industrial e à emissão de certificado de origem.

São acções que o ministro garante que já estão em curso, e que irão colocar todo o foco na sua implementação , o “mais rapidamente possível”.

“Neste momento, há um diálogo importante a manter na construção das políticas sectoriais. (…) Mas, de imediato, o nosso foco vai ser na implementação dos compromissos que constam do acordo celebrado entre o Governo e as CCS, que visam um conjunto de medidas, um dos quais , do ministério, é trabalhar para acelerar as delegações de competências previstas”, indicou.

O presidente do Conselho Directivo da Câmara de Comércio de Sotavento, Jorge Spencer Lima, confirmou que, no âmbito destes acordos, já estão na fase de implementação , o acordo da transferência de competências da Administração Pública para as câmaras.

“Já temos três pontos identificados para serem transferidos imediatamente, que são a questão do licenciamento industrial, a de da emissão do certificado de origens (…) e a emissão dos certificados de comércio extremo. São questões que já estão em cima da mesa e que já foram objectos de negociação e nós pensamos que no máximo, em três meses, podem ficar resolvidas”, disse.

Os empresários e os cabo-verdianos, segundo Jorge Spencer Lima, querem ver as coisas avançarem “mais rápido”, pois, ao seu ver, o Governo já teve quase dois anos “a organizar a casa e a ver o que se passa”, mas, agora é altura de “acelerar os processos”, que as reformas sejam feitas e que as promessas sejam cumpridas para que possam ver na prática a melhoria do sistema económico.

Mas para isso, afirmou há que haver mudanças e há que ter um engajamento do sector privado, das empresas e do Governo para que Cabo Verde possa ser um país economicamente estável e que traga benefícios reais para as pessoas.

Jorge Spencer Lima acredita ainda que o país tem condições de fazer mudanças, por isso apela ao Governo que resolva as questões da unificação do país, a nível dos transportes marítimos e aéreos.
Segundo disse, essas duas questões “não estão a funcionar bem”, portanto, há que melhorar, sobretudo, as questões dos preços que subiram e a regularização dos voos.

“Se nós resolvemos esses dois problemas em Cabo Verde, eu já me dou por satisfeito, porque, isto é a base do futuro e de tudo para ter um país unificado e estável. Aí sim, vamos trabalhar a economia e outras questões e é possível encontrar soluções”, sublinhou.

Fonte: InforPress

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo