Ministro do Comércio e Indústria reitera engajamento do Governo no cumprimento dos acordos assinados com a CCS

O ministro do Comércio e Indústria, Alexandre Monteiro, afirmou hoje que o ”foco imediato” do Governo é trabalhar para acelerar as delegações das competências previstas no âmbito do acordo assinado com à Câmara de Comércio de Sotavento (CCS).

Alexandre Monteiro fez hoje a sua primeira visita institucional à Câmara de Comércio de Sotavento, na Cidade da Praia, com o objectivo de reafirmar o empenho e disponibilidade do Governo em reforçar e continuar um “importante diálogo” com à CCS.

Em 2017, a Câmara do Comércio de Sotavento, juntamente com a sua congénere de Barlavento e a Câmara de Turismo de Cabo Verde, assinaram com o Governo três acordos considerados essenciais, designadamente, o de para a melhoria do ambiente de negócios e o reforço da competitividade da economia nacional, o acordo para delegação de competências do sector público para o sector privado e o acordo para a reforma da política industrial em Cabo Verde.

Segundo o governante, durante esta visita , abordaram questões relacionadas com a melhoria do ambiente de negócio no país e acções importantes que resultam na implementação de acordos existentes entre o Governo e as câmara de comércio, em relação ao licenciamento industrial e à emissão de certificado de origem.

São acções que o ministro garante que já estão em curso, e que irão colocar todo o foco na sua implementação , o “mais rapidamente possível”.

“Neste momento, há um diálogo importante a manter na construção das políticas sectoriais. (…) Mas, de imediato, o nosso foco vai ser na implementação dos compromissos que constam do acordo celebrado entre o Governo e as CCS, que visam um conjunto de medidas, um dos quais , do ministério, é trabalhar para acelerar as delegações de competências previstas”, indicou.

O presidente do Conselho Directivo da Câmara de Comércio de Sotavento, Jorge Spencer Lima, confirmou que, no âmbito destes acordos, já estão na fase de implementação , o acordo da transferência de competências da Administração Pública para as câmaras.

“Já temos três pontos identificados para serem transferidos imediatamente, que são a questão do licenciamento industrial, a de da emissão do certificado de origens (…) e a emissão dos certificados de comércio extremo. São questões que já estão em cima da mesa e que já foram objectos de negociação e nós pensamos que no máximo, em três meses, podem ficar resolvidas”, disse.

Os empresários e os cabo-verdianos, segundo Jorge Spencer Lima, querem ver as coisas avançarem “mais rápido”, pois, ao seu ver, o Governo já teve quase dois anos “a organizar a casa e a ver o que se passa”, mas, agora é altura de “acelerar os processos”, que as reformas sejam feitas e que as promessas sejam cumpridas para que possam ver na prática a melhoria do sistema económico.

Mas para isso, afirmou há que haver mudanças e há que ter um engajamento do sector privado, das empresas e do Governo para que Cabo Verde possa ser um país economicamente estável e que traga benefícios reais para as pessoas.

Jorge Spencer Lima acredita ainda que o país tem condições de fazer mudanças, por isso apela ao Governo que resolva as questões da unificação do país, a nível dos transportes marítimos e aéreos.
Segundo disse, essas duas questões “não estão a funcionar bem”, portanto, há que melhorar, sobretudo, as questões dos preços que subiram e a regularização dos voos.

“Se nós resolvemos esses dois problemas em Cabo Verde, eu já me dou por satisfeito, porque, isto é a base do futuro e de tudo para ter um país unificado e estável. Aí sim, vamos trabalhar a economia e outras questões e é possível encontrar soluções”, sublinhou.

Fonte: InforPress

Notícias

Primeira edição de Festival de curtas-metragens apresentada em Mindelo

Empresas alemãs procuram parceiros cabo-verdianos no sector do turismo e energias renováveis

Cabo Verde vai implementar em 2019 projecto subaquático “Margullar” – garante Jair Fernandes

Santa Catarina: Livro “Histórias da História de Santiago” vai ser apresentado quarta-feira em Assomada

Biosfera alerta para atentados à biodiversidade

Livre circulação no topo da agenda da Cimeira do Sal

Duas décadas de estabilidade e de credibilidade para a moeda cabo-verdiana

PR diz ser preciso acarinhar e preservar a língua portuguesa

IGRP Web do NOSi entre o TOP 50 de inovações em África

Cabo Verde e Brasil poderão colaborar a nível do turismo de aventura e comércio de vinhos

Tecnologias: Cinema da Praia recebe a 2ª edição do TEdx Praia

O turismo não pode estar de costas voltadas para as populações

Universidades cabo-verdianas ainda se assemelham aos liceus – reitor da Uni-Piaget

Ilha do Fogo: Universidade de Santiago promove a partir de sábado a IX edição do “Rotas do Arquipélago”

Santo Antão: Aumento do turismo trouxe novas oportunidades de negócios ainda pouco exploradas na ilha – Raízes

Ilha do Fogo: Empresários brasileiros na ilha para desenvolvimento de parcerias no sector do turismo rural

Cabo Verde não vai pedir assistência financeira ao FMI, afirma ministro das Finanças

Governo português analisa entrada da CGD no Fundo Soberano de Cabo Verde

Investigador defende que é necessário entender as reais necessidades da oceanografia costeira

Herança cultural da Europa vem da mistura da cultura com a África – Embaixadora da UE em Cabo Verde

Santiago Norte: Projecto-piloto propõe turismo sustentável que beneficie empresas locais e comunidade

Porto Novo: Fundo do Turismo recupera ex-edifício camarário para receber centro de interpretação turística

​Isenção total de vistos é objectivo comum, mas há muito caminho a percorrer

Cabo-verdianos não conseguem poupar e não querem comprar casa nem carro

Cabo Verde perde um milhão de turistas por falta de acessibilidades - FECAD

Oásis Atlântico lança projecto turístico no Tarrafal

Criada comissão conjunta para desenvolver projecto de Turismo Seguro para a ilha de Santiago

São Vicente/Economia Marítima: Técnicos chineses na ilha para planeamento da 1ª fase da Zona Especial

Santo Antão: Projecto Raízes concluí caracterização dos caminhos vicinais que vão formar rotas turísticas na ilha

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo