Ilha do Fogo: Estudo sobre viabilidade técnica para iluminação do aeródromo de São Filipe será realizado em 2018 – PCA ASA

O estudo da viabilidade técnica para a iluminação da pista do aeródromo de São Filipe, que chegou a ser anunciado pelo ministro da Economia, no passado mês de Junho, vai ser realizado em meados de 2018.

O presidente do conselho da administração (PCA) da Empresa de Segurança Aérea (ASA), Jorge Benchimol Duarte, que efectuou quarta-feira a sua primeira visita às instalações do aeródromo de São Filipe, na qualidade de responsável da ASA, o estudo para iluminação do aeródromo de São Filipe será realizado em 2018, sem avançar uma data exacta para a sua concretização.

O PCA da ASA não quis avançar o prazo para o início e término do estudo e nem para as possíveis conclusões do estudo, indicando que o mesmo vai mostrar vários aspectos em relação à iluminação da pista.

“A iluminação de um aeródromo tem a ver com o aumento da capacidade da sua operação”, disse, indicando que o aeródromo de São Filipe opera, em média, três horas por dia, e a operação diurna ainda tem nove horas para dar, acrescentando que é por esta razão que se vai fazer o estudo.

Aquando do anúncio da realização do estudo, chegou-se a avançar que um operador turístico estaria disponível para co-financiar a sua realização, mas questionado sobre está possibilidade, o PCA da ASA diz não dispor de informação de que há privado interessado em co-participar na realização da iluminação do aeródromo.

Mas, há sensivelmente seis meses, o titular da pasta da Economia tinha afirmado que a iluminação é uma iniciativa de um investidor que pretende investir num turismo de ponta e de alto valor, através da construção de um empreendimento turístico perto da cidade de São Filipe, composto por um hotel de cinco estrelas e SPA, produção industrial e transformação de Aloé Vera (babosa), apartamentos e vilas e ainda zonas destinadas à actividade comercial, ocupando uma área de cerca de 15 hectares de terrenos, mas esta parceria não foi confirmada pelo PCA da ASA.

Além da realização do estudo para equacionar a possibilidade de iluminação da pista do aeródromo de São Filipe, o PCA da ASA indica que no decurso de 2018 vai-se melhorar as instalações, mostrando convicto de que no final de 2018 o aeródromo de São Filipe terá mais conforto e estará mais funcional.

Jorge Benchimol Duarte afirma que será feita uma avaliação das instalações actuais para ver o que pode ser melhorado e relocalizado, e em função do trabalho de levantamento da situação actual far-se-á a remodelação.

Acrescentou que a prioridade da ASA é fazer com que os aeroportos funcionem bem, melhorar as operações, o conforto dos passageiros, melhorar as relações com os clientes, que são as companhias aéreas, e depois de isso avaliar onde a procura justifica que se faça investimentos adicionais.

Segundo o responsável, ideia é fazer investimento na melhoria do terminal em 2018 e, sem avançar com pormenores, salientou que há muita coisa por fazer e empenhada nisso.

Com relação ao aumento do pessoal, afirma que será feito em função das necessidades porque o aeródromo está a funcionar em condições normais.

O PCA da ASA avistou-se com o edil de São Filipe, Jorge Nogueira, e questionado se a questão assumida pela anterior direcção da ASA para com a Câmara, que assumiu o pagamento do montante respeitante a área de servidão aeroportuária e a questão de apoio desta empresa na formação de bombeiros municipais, Jorge Benchimol Duarte disse que foi uma visita de cortesia e que foram analisados aspectos para o futuro e não o passado, sem levantar o véu sobre a matéria abordada.

Fonte: InforPress

Notícias

IPC realiza primeiro mergulho em arqueologia subaquática no ancoradouro da Cidade Velha

Biblioteca Nacional lança reedição de “Chiquinho” e promete edição de seis obras por ano

NOSi poderá representar um suporte do desenvolvimento tecnológico para construção de uma sociedade digital no país – PR

Lançamento do projecto sobre a Promoção da Economia Azul reúne principais gestores da Economia Marítima

Mindelo: Atelier de lançamento do projecto sobre a Promoção da Economia Azul reúne principais “stakeholders” da Economia Marítima

São Vicente: Trinta formandos recebem certificados na área de guia de turismo comunitário

Santa Catarina: Assembleia Municipal com Ribeira da Barca na agenda

Santo Antão: Criação do Instituto Superior de Ciências e Tecnologias Agrárias traz à ilha catedráticos de Portugal

Artistas da CPLP pedem "passaporte artístico"

Cabo Verde quer afirmar-se como plataforma tecnológica de referência em África

Novo presidente da AAVT quer transformar agências de viagens

Escavações arqueológicas na Igreja de São Tiago Maior concluídas

Empresários nacionais desafiam Portugal a deslocalizar empresas para Cabo Verde

AJEC propõe plataforma de informações sobre oportunidades de investimentos

Literatura: VIII Encontro de Escritores de Língua Portuguesa acontece de 19 a 21 de Abril na UNICV

Criada equipa que vai coordenar Zona Económica Especial

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

Empresa alemã introduz energia das ondas do mar em Cabo Verde

Santo Antão: Representante da OMS exorta Cabo Verde a preparar-se para enfrentar emergências sanitárias

Santo Antão: Fábrica de sabonetes abre portas no Porto Novo e já cogita exportar para os EUA

Praia: Conjunto Histórico e Arqueológico da Trindade vai ser património nacional – ministro

Ilha do Fogo: Técnicos de Monumentos e Sítios do IPC na região Fogo e Brava para inventariar património cultural imóvel

Emprofac prevê um crescimento de 7% em 2018

Regionalização: Olavo Correia reposiciona-se

Ampliar o mercado africano para os países africanos

PM espera consensos necessários entre os deputados para se avançar com a Regionalização

Directora regional da OMT recomenda diversificação dos modelos de oferta turística em Cabo Verde

Dia Mundial do Teatro: Mindelact distingue jornalista Fonseca Soares com Prémio de Mérito Teatral

Capacidade de alojamento em Cabo Verde aumentou em 18% em 2017 – INE

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo