IPC realiza primeiro mergulho em arqueologia subaquática no ancoradouro da Cidade Velha

O Instituto do Património Cultural (IPC) realiza hoje, na Cidade Velha, o primeiro mergulho em arqueologia subaquática no ancoradouro da baia de Cidade Velha com o objectivo de fazer a georreferenciação do local

Segundo explicou à Inforpress o coordenador da Direcção de Monumentos e Sítios, Jaylson Monteiro, a iniciativa está inserida na primeira missão do projecto CONCHA da Cátedra UNESCO – o Património Cultural dos Oceanos – que visa desenvolver conhecimentos históricos e patrimoniais, no domínio da investigação, salvaguarda e valorização do legado subaquático.

“Nessa primeira fase vamos fazer a georeferenciação da baia de Cidade Velha, tirar algumas anotações para que em Julho e Agosto possamos fazer um trabalho mais detalhado com registo, levantamentos e escavações”, esclareceu, sublinhando que Cabo Verde é o primeiro país a acolher o este projecto, em 2018, que conta com o financiamento da União Europeia em parceria com a Universidade Nova de Lisboa.

Jaylson Monteiro afirmou que para esta segunda-feira, 23, esta prevista também um mergulho na zona da Gamboa, na Cidade da Praia, e no dia 24, em São Francisco.

O primeiro mergulho de prospecção arqueológica em Cidade Velha contou com a participação de dois técnicos portugueses, técnicos do IPC, Polícia Marítima e Guarda Costeira.

O projecto CONCHA explica as diferentes formas pelas quais as cidades portuárias se desenvolveram em torno da borda do Atlântico no final do século XV e início do século XVI em relação aos diferentes ambientes ecológicos e económicos globais, regionais e locais.

Para além de organizar oficinas académicas e publicações, o projecto pretende educar envolvendo o público em pesquisas históricas com uma série de conferências e exposições e auxiliando as instituições públicas no desenvolvimento da conservação do património e do turismo.

Fonte: InforPress

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo