Governo minimiza impacto de mau ano agrícola na economia de Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, garantiu, segunda-feira, na cidade da Praia, que o mau ano agrícola que afeta o país não terá impactos nas previsões do crescimento económico do Governo e nem no défice estimado para as contas públicas.
"O Governo mantém a previsão de crescimento dos cinco a 5,5 porcento, não obstante o mau ano agrícola", declarou Ulisses Correia e Slva num discurso de apresentação, no Parlamento, duma proposta de Orçamento de Estado par 2018.
O chefe do Governo cabo-verdiano salientou que esta previsão se baseia no fato de o orçamento para o próximo ano adotar um conjunto de medidas aceleradoras e com impacto no crescimento económico.
A este propósito, ele elencou um conjunto de medidas propostas, sublinhando a "opção clara" do executivo por "estimular e promover o investimento privado através das políticas públicas e do investimento público", nomeadamente através de medidas de apoio ao financiamento.
Destacou igualmente a aposta numa solução para os transportes marítimos, adiantando que ficará concluído, até final do ano, o processo para a concessão da gestão e exploração do transporte marítimo de passageiros e carga inter-ilhas.
No mesmo sentido, adiantou que 2018 será o ano da operacionalização da plataforma aérea na ilha do Sal "que passará pela privatização da TACV (Transportes Áereos de Cabo Verde) e da Cabo Verde Handling, da concessão da gestão aeroportuária e da melhoria de toda a cadeia, bem como do serviço das fronteiras.
Ulisses Correia e Silva expressou a "firme convicção" de que se trata de "um bom orçamento".
"Orçamento responsável porque não finta os problemas do país. Está comprometido com políticas, metas e objetivos para consolidar as finanças públicas, melhorar o ambiente de negócios e o clima de investimentos, promover a inclusão social, qualificar o capital humano, reforçar a descentralização, melhorar a segurança e a administração da justiça", disse.
No entanto, para a líder do maior partido da oposição, Janira Hopffer Almada, este é um “orçamento de frustração, preparado com muita cosmética e acompanhado de uma grande operação de marketing”.
A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) acusou o primeiro-ministro de prometer levar, pela primeira vez, o Orçamento do Estado à concertação social, "mas os parceiros ficaram apenas nas linhas gerais”.
Janira Hopffer Almada fez saber que, “contrariamente àquilo que se esperava”, o chefe do Governo “não vem cumprindo os principais compromissos de campanha (eleitoral) e retomados no Programa do Governo”.
“Este Orçamento dá uma machadada na esperança daqueles que acreditaram que 2018 seria o ano da mudança de rumo e das respostas concretas aos seus problemas”, indignou-se a presidente do PAICV.
A seu ver, este orçamento é “insensível” à situação por que passa uma parte significativa da população cabo-verdiana a braços com um mau ano agrícola.
A líder do PAICV comentou ainda que se trata de orçamento que “empobrece o país e aumenta  desigualdades sociais e assimetrias regionais”.
“Este Governo demonstra a sua grande insensibilidade às dores dos Cabo-verdianos”, denunciou a presidente do grupo parlamentar do PAICV que sugeriu ao primeiro-ministro a desculpar-se perante os seus concidadãos pelas “promessas generosas e respostas minguadas”.
A saúde, segundo Janira Hopffer Almada, tem sido transformada cada vez mais num “negócio em que todos são obrigados a pagar, excluindo da assistência médica aqueles que não têm recursos para suportar as despesas”.
Por seu turno, o deputado eleito nas listas da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), oposição com três assentos no Parlamento, António Monteiro, entende que a proposta do orçamento do executivo “não olha de uma forma clara e objetiva para os grandes problemas dos Cabo-verdianos”.
O Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2018 estima-se em 554,7 milhões de euros, 33,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, com uma previsão de receitas de 503,1 milhões de euros, incluindo receitas fiscais e donativos, num cenário projetado de crescimento económico de 5,5%, uma inflação que não deverá ultrapassar um porcento e uma taxa de desemprego de 12,5%.
A dívida pública cabo-verdiana deverá situar-se nos 132,2% do PIB em 2018, atingindo os 2,1 mil milhões de euros.

Fonte: PanaPress

Notícias

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

Governo: Cabo Verde assume presidência do Conselho de Ministros da CPLP com humildade e sentido de responsabilidade

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Caso de cancelamento de voos: Chega o primeiro Boeing, mas as ligações para rota das Américas podem não começar de imediato

Cimeira CPLP: Empresários querem que dinâmica do pilar económico comece a fazer-se sentir “de facto”

Pedro Morais: “Temos de transformar a História de São Nicolau em valor, em produto para vender”

Santo Antão: Raízes aposta na criação de “novas dinâmicas” para um turismo rural de qualidade na ilha

São Vicente: Carnaval do Mindelo “desembarca» na Nigéria a convite do Afreximbank

São Domingos: Autarquia aposta na requalificação urbana e promoção das ofertas turísticas

Cesária Évora homenageada no festival O Sol da Caparica

Obra de Dina Salústio entre os finalistas ao Prémio PEN de tradução

Porto Novo: Operadores turísticos avaliam os primeiros três meses do andamento do projecto Rotas das Aldeias Rurais

Instituto da Macaronésia propõe criar soluções para produção de água através do uso das energias renováveis

Plataforma IGRP Web é uma rede electrónica para a criação do emprego jovem – responsável

São Vicente: Carnaval de Verão com divulgação na Europa e no Brasil – organização

São Salvador do Mundo: Arrancam as obras do centro de transformação de produtos agrícolas

Santiago Norte: Projecto capacita jovens para área do turismo com foco na conservação da biodiversidade

Governo quer atrair investimentos da Diáspora com o Estatuto do Investidor Emigrante

Recomendação para ouvir: Mornas ao Piano - mais do que um disco … estórias sentidas e c(o)antadas

Regressa o Campus África, por uma ‘Macaronésia do conhecimento’

Operadores em Santo Antão querem atacar mercado africano

«Há interessados no mercado doméstico de transporte aéreo» - Olavo Correia

Governo sublinha papel da China na produção audiovisual em Cabo Verde

Bienal de Dança de Veneza entrega hoje Leão de Prata a Marlene Monteiro Freitas

OMS saúde progressos na melhoria das condições de vida da população em Cabo Verde

Três mil cabo-verdianos obtiveram nacionalidade Portuguesa em 2017

Sal: Festival Literatura-Mundo foi “fantástico” reunindo gente e escritores premiados de diferentes latitudes, dizem participantes

TradeInvest e Bringbuys assinam memorando para criação de polo tecnológico

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo