Governo minimiza impacto de mau ano agrícola na economia de Cabo Verde

O primeiro-ministro de Cabo Verde, Ulisses Correia e Silva, garantiu, segunda-feira, na cidade da Praia, que o mau ano agrícola que afeta o país não terá impactos nas previsões do crescimento económico do Governo e nem no défice estimado para as contas públicas.
"O Governo mantém a previsão de crescimento dos cinco a 5,5 porcento, não obstante o mau ano agrícola", declarou Ulisses Correia e Slva num discurso de apresentação, no Parlamento, duma proposta de Orçamento de Estado par 2018.
O chefe do Governo cabo-verdiano salientou que esta previsão se baseia no fato de o orçamento para o próximo ano adotar um conjunto de medidas aceleradoras e com impacto no crescimento económico.
A este propósito, ele elencou um conjunto de medidas propostas, sublinhando a "opção clara" do executivo por "estimular e promover o investimento privado através das políticas públicas e do investimento público", nomeadamente através de medidas de apoio ao financiamento.
Destacou igualmente a aposta numa solução para os transportes marítimos, adiantando que ficará concluído, até final do ano, o processo para a concessão da gestão e exploração do transporte marítimo de passageiros e carga inter-ilhas.
No mesmo sentido, adiantou que 2018 será o ano da operacionalização da plataforma aérea na ilha do Sal "que passará pela privatização da TACV (Transportes Áereos de Cabo Verde) e da Cabo Verde Handling, da concessão da gestão aeroportuária e da melhoria de toda a cadeia, bem como do serviço das fronteiras.
Ulisses Correia e Silva expressou a "firme convicção" de que se trata de "um bom orçamento".
"Orçamento responsável porque não finta os problemas do país. Está comprometido com políticas, metas e objetivos para consolidar as finanças públicas, melhorar o ambiente de negócios e o clima de investimentos, promover a inclusão social, qualificar o capital humano, reforçar a descentralização, melhorar a segurança e a administração da justiça", disse.
No entanto, para a líder do maior partido da oposição, Janira Hopffer Almada, este é um “orçamento de frustração, preparado com muita cosmética e acompanhado de uma grande operação de marketing”.
A presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV) acusou o primeiro-ministro de prometer levar, pela primeira vez, o Orçamento do Estado à concertação social, "mas os parceiros ficaram apenas nas linhas gerais”.
Janira Hopffer Almada fez saber que, “contrariamente àquilo que se esperava”, o chefe do Governo “não vem cumprindo os principais compromissos de campanha (eleitoral) e retomados no Programa do Governo”.
“Este Orçamento dá uma machadada na esperança daqueles que acreditaram que 2018 seria o ano da mudança de rumo e das respostas concretas aos seus problemas”, indignou-se a presidente do PAICV.
A seu ver, este orçamento é “insensível” à situação por que passa uma parte significativa da população cabo-verdiana a braços com um mau ano agrícola.
A líder do PAICV comentou ainda que se trata de orçamento que “empobrece o país e aumenta  desigualdades sociais e assimetrias regionais”.
“Este Governo demonstra a sua grande insensibilidade às dores dos Cabo-verdianos”, denunciou a presidente do grupo parlamentar do PAICV que sugeriu ao primeiro-ministro a desculpar-se perante os seus concidadãos pelas “promessas generosas e respostas minguadas”.
A saúde, segundo Janira Hopffer Almada, tem sido transformada cada vez mais num “negócio em que todos são obrigados a pagar, excluindo da assistência médica aqueles que não têm recursos para suportar as despesas”.
Por seu turno, o deputado eleito nas listas da União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID), oposição com três assentos no Parlamento, António Monteiro, entende que a proposta do orçamento do executivo “não olha de uma forma clara e objetiva para os grandes problemas dos Cabo-verdianos”.
O Orçamento de Estado de Cabo Verde para 2018 estima-se em 554,7 milhões de euros, 33,8% do Produto Interno Bruto (PIB) do país, com uma previsão de receitas de 503,1 milhões de euros, incluindo receitas fiscais e donativos, num cenário projetado de crescimento económico de 5,5%, uma inflação que não deverá ultrapassar um porcento e uma taxa de desemprego de 12,5%.
A dívida pública cabo-verdiana deverá situar-se nos 132,2% do PIB em 2018, atingindo os 2,1 mil milhões de euros.

Fonte: PanaPress

Notícias

CMP socializa projecto de requalificação do Centro Histórico do Plateau no valor de 187 mil contos

Ministro das Finanças diz que Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável é o “sonho” rumo ao crescimento em 7%

Ministro da Saúde garante que Cabo Verde está preparado para liderar o processo de eliminação do paludismo na região da CEDEAO

O Orçamento do Estado para 2018 foi aprovada na globalidade, com 34 votos favoráveis do MpD, 25 contra, sendo 22 do PAICV e três da UCID

Sexto aniversário do falecimento de Cesária Évora assinalado com 3ª edição do projecto “Sodad”

Primeira fase da TDT já está concluída. Transição acontece no primeiro semestre de 2018

Governo assina convenção de estabelecimento com FOISal para produzir tomates orgânicos e outros vegetais

Estado não quer participação na Binter Cabo Verde

Concertação Social: Aumento de pensão social e salário mínimo, chumbo para melhoria de rendimentos dos funcionários

Governo quer janela única de comércio externo que permita desembaraço alfandegário em 24 horas no máximo

Projecto Rota das Aldeias Rurais de Santo Antão vai sair do papel

Cidade Velha acolhe primeira conferência nacional sobre educação patrimonial

Governo destaca criação de plataformas como um dos grandes resultados do Programa de Plataformas para o Desenvolvimento Local

Ministro da Cultura assina protocolo de cooperação com Fundação Francisco Manuel Santos para doação de dois mil livros

O Estado não vai comprar os 19% do capital da Binter Cabo Verde e proximamente vai alienar os 30% – Governo

Grupo de apoio alerta para riscos de elavado endividamento público em Cabo Verde

Governo assina Convenções de Estabelecimento para projectos turísticos de São Vicente e Praia

PCA dos TACV anuncia funcionamento do “hub” aéreo para Janeiro de 2018

Associação de Turismo de Santiago vai dar “atenção especial” à lei de REMPE – presidente

Cimeira UE-UA: Cabo Verde quer mais atenção para os Estados insulares

Cabo Verde, São Tomé e Timor-Leste melhores lusófonos no combate à malária – OMS

Cimeira UE-UA: Cabo Verde quer mais atenção para os Estados insulares

Cabo Verde, São Tomé e Timor-Leste melhores lusófonos no combate à malária – OMS

São Vicente: Intervenções do MCC em Cabo Verde deixa país melhor preparado para atrair investimentos privados – vice-presidente

Ilha do Fogo: Plano detalhado de Chã das Caldeiras socializado esta quarta-feira

Santo Antão: Amipaul defende elaboração da carta de turismo para ilha

Orçamento do Estado’2018 aprovado na generalidade com votos favoráveis do MpD, contra do PAICV e abstenções da UCID

Governo minimiza impacto de mau ano agrícola na economia de Cabo Verde

Vice-presidente do MCC em Cabo Verde para encerramento do II Compacto MCA

Cabo Verde anuncia em Portugal nova Lei Cambial para atrair investimento português

Praia acolhe seminário “Portugal-Cabo Verde: Uma Parceria para o Ambiente”

Portugal e Cabo Verde preparam projeto conjunto de mobilidade inter-estados na CPLP

Turistas europeus “invadem” a ilha das montanhas em plena época alta do turismo em Santo Antão

Pesca: Estudo aponta fiscalização da Zona Económica Exclusiva como problema “candente” do sector em Cabo Verde

Cabo Verde conhece desafios e oportunidades para execução da Política Regional de Pesca e de Aquacultura

NEWCO: Governo cria empresa para gerir as dívidas da TACV

Ministro da Economia participa do 3º Fórum Mundial da ICAO em Abuja

Cabo Verde caiu para a quarta posição do Índice Ibrahim de Governação Africana

Cabo Verde confia numa futura parceria com a União Europeia

Santiago Norte: Organizadores fazem balanço positivo da primeira edição da feira Expo Santiago