Dezoito países já ratificaram acordo que cria zona africana de comércio livre

Dezoito países africanos, entre os quais oito da CEDEAO, já ratificaram o acordo que cria a Zona Livre de Comércio Continental (ZLECAf), informou terça-feira o Comissário da CEDEAO para área do comercio e livre circulação, Konzi Tei.

O responsável falava em Monróvia, Libéria, na sequência da realização de um atelier sobre ZLECAf, destinado aos membros da rede dos jornalistas económicos da África ocidental, promovido pela Comissão Económica das Nações Unidas para África (CEA), em parceria com a CEDEAO e o governo local.

O acordo foi assinado em Março de 2018, por 49 países da União Africana, entre os quais Cabo Verde, e neste momento 18 já ratificaram o documento que necessita de pelo menos 22 ratificações para entrar em vigor.

“A criação de numa zona de livre troca continental é um processo muito longo, porque serão necessário o desmantelamento das taxas aduaneiras, o que pode levar quase 10 anos”, disse, adiantando que já foram definidas as regras que vão permitir a troca.

Neste sentido, aproveitou para uma vez mais apelar aos Estados membro da CEDEAO a acelerarem o processo de ratificação, a fim de se preservarem os avanços e dar corpo aos objectivos da ZLECAF.

“A criação de um ambiente sub-regional sem fronteiras, onde os recursos estão disponíveis e acessíveis a empresas e indivíduos continua a ser um elemento central da estratégia da CEDEAO para a prosperidade partilhada e a visão de uma “CEDEAO do povo”, sustentou.

A ZLEC inscreve-se no quadro de um processo que, até 2028, prevê a constituição de um mercado comum e de uma união económica e monetária de África, razão pela qual também está em curso a criação do Passaporte Único Africano, tudo incluído na chamada Agenda 2063, que visa desenvolver económica, financeira e socialmente o continente até àquele ano.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Santo Antão: Vinda de turistas islandeses à ilha confirma que turismo local está a conquistar novos mercados na Europa

Cabo Verde precisa de um quadro regulatório mais forte de integração entre a biodiversidade e o turismo

Sal: Praia de Santa Maria poderá hastear Bandeira Azul dentro de três anos – Biosfera1

Praias de Cabo Verde com condições para Bandeira Azul após aplicação de medidas – ONG

Primeiros inspetores chefes da PJ de Cabo Verde com formação da congénere portuguesa