Cidade Velha celebra segunda-feira 8º aniversário da elevação a Património Mundial da Humanidade

O dia 26 de Junho – esta segunda-feira - marca o 8º aniversário da classificação da Cidade Velha como Património Mundial da Humanidade, numa decisão da UNESCO, de 2009, órgão ONU que cuida da educação e da cultura. A abertura da cerimónia começa, pelas 9 horas, no Largo de Pelourinho, num acto a ser presidido pelo ministro da Cultura e Indústrias Criativas, Abraão Vicente

Um comunicado do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas indica que o reconhecimento da importância histórica do Berço da Nação cabo-verdiana pela UNESCO tem contribuído para “uma maior visibilidade deste Sítio e “maior conscientização” sobre a necessidade de salvaguardar o legado existente em benefício” das gerações presentes e futuras.

Para assinalar a data, o Governo, a Comissão Nacional da Unesco (CNU), a Câmara Municipal da Ribeira Grande de Santiago, a Paróquia de Cidade Velha e as associações comunitárias Sphaera Mundi, Batucadeiras e “Nos Eransa” organizam um conjunto de actividades direccionado para a comunidade estudantil, universitária e comunidades.

Diz a mesma fonte que, a realização de palestras no liceu e na Universidade de Cabo Verde sob tema “O 8º Aniversário da Classificação da Cidade Velha – os desafios da sua gestão” e “Cidade Velha e seus monumentos”, são algumas das atividades constantes no programa de comemoração. Do programa constam também a apresentação e projecção de um filme sobre a Tabanka, enquanto Património Imaterial, feira e degustação de produtos tradicionais, uma visita com os alunos do município subordinada ao tema “Cidade Velha: Estórias e memórias, Tesouros Humanos Vivos”.

Mais do que uma visita tradicional, centrada na história da Cidade Velha e seus monumentos, o comunicado explicita que a iniciativa pretende envolver e valorizar as vivências dos portadores de memória da Cidade Velha, evidenciando as lembranças menos conhecidas do sítio, enquanto espaço dessas vivências.

A fazer fé na mesma agência, a exposição sobre “Fomes em Cabo Verde: Causas e efeitos – 1580-1949”, exposição de Livros sobre Cidade Velha, Animação Cultural CMRGS Largo do Pelourinho são ainda entre outras actividades programadas para assinalar a efeméride.

Esta data constitui uma “importante ocasião” para as autoridades centrais e locais, os educadores e os alunos reflectirem sobre os principais problemas deste património da humanidade, visando encontrar as melhores soluções. Conforme vários escritos retomados pelos órgãos da imprensa, a Cidade Velha de Santiago é o berço da cabo-verdianidade. É também a toponímia do que foi a antiga Cidade da Ribeira Grande, que foi capital do arquipélago de Cabo Verde durante alguns séculos.

Foi a primeira Cidade que os portugueses tiveram em África, na sua aventura dos descobrimentos. Daí ser uma referência obrigatória no contexto histórico das ilhas de Cabo Verde. É na Cidade Velha de Santiago, recorde-se, que nasceu o homem crioulo. Foi o ponto de encontro dos primeiros europeus e negros da costa de África trazidos para o povoamento dessas ilhas.

Fonte: A Semana

Notícias

Ponta Calhetona recebeu investimentos de cerca de 12 mil contos

NOSi Akademia recebe mais 48 estagiários

Cabo Verde Airlines começa hoje a ligar as ilhas

Ribeira das Patas Porto Novo: Grupos de mulheres apostam na transformação de frutas para garantir auto-emprego

Cabo Verde Airlines reforça voos para Lisboa com chegada de Boeing 737-300