Cabo Verde lidera novamente lusófonos no Índice de Democracia – Economist

Cabo Verde manteve este ano a liderança dos países lusófonos no Índice de Democracia elaborado anualmente pelo The Economist, ocupando o 23.º lugar entre os 167 Estados analisados, três posições à frente de Portugal e 26 do Brasil.

Num índice em que não figura São Tomé e Príncipe, o The Economist Intelligence Unit, subordinado ao tema “Liberdade de Expressão Sob Ataque”, considera Cabo Verde, Portugal, Timor-Leste e Brasil “democracias com falhas”, enquanto Moçambique se situa no limiar inferior dos “regimes híbridos” e Angola, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial surgem como “autoritários”.

O índice tem em conta cinco principais indicadores – processo eleitoral e pluralismo, funcionamento do Governo, participação politica, cultura política e liberdades civis.

Num máximo de 10 pontos, que nenhum dos Estados analisados conseguiu obter – Noruega (9,87), Islândia (9,58) e Suécia (9,39) são os três mais bem classificados –, Cabo Verde foi creditado com 7,88 pontos (23.º lugar global), Portugal com 7,84 (26.º), Timor-Leste com 7,19 (43.º) e Brasil com 6,86 (49.º).

Moçambique surge com 4,02 pontos (115.º posição) e é o último dos considerados “regimes híbridos” (acima dos 4,00), à frente dos “autoritários” Angola (3,62 pontos – 125.º lugar), Guiné-Bissau (1,98 – 157.º) e Guiné Equatorial (1,81 – 161.º).

Atrás da Guiné Equatorial, e até ao fim do índice, só figuram outros seis Estados – Turquemenistão (1,72 pontos), República Democrática do Congo (1,61), República Centro Africana (1,52), Chade (1,50), Síria (1,43) e Coreia do Norte (1,08).

Entre os países lusófonos, e dividindo por indicadores, Cabo Verde têm índices que variam entre os 9,17 pontos (processo eleitoral e pluralismo) e os 6,67 (participação política).

Portugal tem como melhor índice 9,58 pontos (processo eleitoral e pluralismo) e 6,11 (participação política), Timor-Leste entre 9,08 (processo eleitoral e pluralismo) e 5,56 (participação política) e Brasil entre 9,58 (participação eleitoral e pluralismo) e 5,00 (cultura política).

Moçambique, por seu lado, tem como melhores resultados os 5,00 pontos, quer na participação política, quer na cultura política, e 2,14 no item funcionamento do Governo.

Angola varia entre os 5,56 pontos na participação política e 1,75 no processo eleitoral e pluralismo, enquanto a Guiné-Bissau tem como máximo 3,13 na cultura política e 0,00 atribuídos no funcionamento do Governo.

A Guiné Equatorial também teve um 0,00, mas no processo eleitoral e pluralismo, tendo o valor mais elevado sido 4,38, a nível de cultura política.

Fonte: InforPress

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo