Cabo Verde lidera novamente lusófonos no Índice de Democracia – Economist

Cabo Verde manteve este ano a liderança dos países lusófonos no Índice de Democracia elaborado anualmente pelo The Economist, ocupando o 23.º lugar entre os 167 Estados analisados, três posições à frente de Portugal e 26 do Brasil.

Num índice em que não figura São Tomé e Príncipe, o The Economist Intelligence Unit, subordinado ao tema “Liberdade de Expressão Sob Ataque”, considera Cabo Verde, Portugal, Timor-Leste e Brasil “democracias com falhas”, enquanto Moçambique se situa no limiar inferior dos “regimes híbridos” e Angola, Guiné-Bissau e Guiné Equatorial surgem como “autoritários”.

O índice tem em conta cinco principais indicadores – processo eleitoral e pluralismo, funcionamento do Governo, participação politica, cultura política e liberdades civis.

Num máximo de 10 pontos, que nenhum dos Estados analisados conseguiu obter – Noruega (9,87), Islândia (9,58) e Suécia (9,39) são os três mais bem classificados –, Cabo Verde foi creditado com 7,88 pontos (23.º lugar global), Portugal com 7,84 (26.º), Timor-Leste com 7,19 (43.º) e Brasil com 6,86 (49.º).

Moçambique surge com 4,02 pontos (115.º posição) e é o último dos considerados “regimes híbridos” (acima dos 4,00), à frente dos “autoritários” Angola (3,62 pontos – 125.º lugar), Guiné-Bissau (1,98 – 157.º) e Guiné Equatorial (1,81 – 161.º).

Atrás da Guiné Equatorial, e até ao fim do índice, só figuram outros seis Estados – Turquemenistão (1,72 pontos), República Democrática do Congo (1,61), República Centro Africana (1,52), Chade (1,50), Síria (1,43) e Coreia do Norte (1,08).

Entre os países lusófonos, e dividindo por indicadores, Cabo Verde têm índices que variam entre os 9,17 pontos (processo eleitoral e pluralismo) e os 6,67 (participação política).

Portugal tem como melhor índice 9,58 pontos (processo eleitoral e pluralismo) e 6,11 (participação política), Timor-Leste entre 9,08 (processo eleitoral e pluralismo) e 5,56 (participação política) e Brasil entre 9,58 (participação eleitoral e pluralismo) e 5,00 (cultura política).

Moçambique, por seu lado, tem como melhores resultados os 5,00 pontos, quer na participação política, quer na cultura política, e 2,14 no item funcionamento do Governo.

Angola varia entre os 5,56 pontos na participação política e 1,75 no processo eleitoral e pluralismo, enquanto a Guiné-Bissau tem como máximo 3,13 na cultura política e 0,00 atribuídos no funcionamento do Governo.

A Guiné Equatorial também teve um 0,00, mas no processo eleitoral e pluralismo, tendo o valor mais elevado sido 4,38, a nível de cultura política.

Fonte: InforPress

Notícias

UNESCO reitera compromisso com a diversidade linguística como sendo essencial para o desenvolvimento sustentável

Governo quer uma formação profissional de excelência para os jovens cabo-verdianos (rectificada)

Governo reafirma aposta na indústria. Empresários querem "efectividade"

Alterações ao projecto “Djéu” de David Chow: Casino já não vai ficar situado sobre o mar

Aterros colocados no mar vão ser removidos para darem lugar a uma ponte – coordenador

Cabo Verde precisa de cerca de 400 milhões de contos para implementação do PEDS 2017-2021

São Lourenço dos Órgãos: Comunidade de Pico de Antónia quer “manter vivo” o tradicional almoço de Cinzas

Carnaval 2018 em São Vicente: Vindos do Oriente sagra-se bi-campeão, Monte Sossego arrasa nos prémios individuais

Afreximbank vai financiar Golden Tulip Mindelo

Estudo inédito quer caracterizar zonas de berçário de tubarões em Cabo Verde

Língua Cabo-verdiana vai ser classificada património nacional

The Resort Group garante construção do Hilton Praia

Ministro do Turismo e Transportes e da Economia Marítima animado com a dinâmica do Sal

PM lança medidas que estimulam a boa governança corporativa

Alejandro Casamor: “Temos de estar onde os nossos clientes querem ir”

Hotel Hilton abre nova oferta turística no Sal

Acesso ao financiamento do Programa Rota das Aldeias Rurais disponível a partir de segunda-feira

Governo vai investir 11 milhões de contos na requalificação dos centros urbanos nos próximos três anos

Cabo Verde lidera novamente lusófonos no Índice de Democracia – Economist

Santo Antão: Porto Novo vai ter quatro miradouros turísticos este ano

Ministro do Comércio e Indústria reitera engajamento do Governo no cumprimento dos acordos assinados com a CCS

Governo quer implementação de acções de formação profissional ligadas ao mundo empresarial

Câmara do Turismo de Cabo Verde saúda aprovação da lei que cria o “green card”

Stand de Cabo Verde na FITUR 2018 com muita procura do mercado espanhol e empresários de diversas nacionalidades

Directora de Investigação da União Europeia visita Cabo Verde para apresentar oportunidades do Programa Horizonte 2020

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo

INIDA já tem laboratório para certificação de alimentos que deve estar a funcionar até setembro

Cabo Verde procura novas estratégias para inovar o sector agrícola, alimentar e florestal – INIDA

Governo quer MEM como centro da economia azul

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo

Maio: A ilha vai receber o primeiro estudo arqueológico em Março – IPC

Governo vai legislar sobre o regime especial de protecção das tartarugas marinhas em Cabo Verde