Cabo Verde está a trabalhar “muito bem” para assumir a presidência da Comissão da CEDEAO em 2018 – vice-presidente

O vice-presidente do Parlamento da Comunidade Económica dos Estados da África Ocidental (CEDEAO) assegurou hoje que o país está a fazer “um bom trabalho” diplomático para assumir a presidência da Comissão em 2018.

A garantia foi dada hoje, na Cidade da Praia, por Orlando Dias, que é também deputado nacional do MpD, após ser recebido em audiência pelo Presidente da República, Jorge Caros Fonseca, em que se falou sobre a integração de Cabo Verde no espaço da CEDEAO e a diáspora cabo-verdiana em África.

“Nos últimos anos, Cabo Verde tem dado bons sinais, e neste momento está-se a fazer um bom trabalho diplomático para que Cabo Verde possa assumir a presidência da Comissão da CEDEAO em 2018”, disse defendendo que para isso será necessário o reforço da integração social, política e económica, e que o arquipélago assuma as suas responsabilidades na plenitude.

Orlando Dias, que neste momento ocupa o cargo de vice-presidente do parlamento da CEDEAO, assegurou que há grande possibilidade de Cabo Verde presidir a comissão no próximo ano, que no seu entender, o arquipélago terá mais protagonismo, terá vantagens sobretudo a nível dos projectos e programas que a comissão pode oferecer ao país.

Segundo avançou o deputado, o Governo, o Presidente da República e da Assembleia Nacional e mostraram-se disponível em colaboração para que essa integração seja efectiva.

Por outro lado, afirmou que durante o encontro tiveram também a oportunidade de falar e discutir sobre a comunidade cabo-verdiana radicado nos países africanos.

Na ocasião advogou que a comunidade em São Tomé e Príncipe requer uma atenção especial por parte das autoridades, e há necessidade de reforço das relações de cooperação com o Governo Santomense, de Angola, Guine Bissau, mas também do Senegal e Moçambique, que no seu entender são países onde a comunidade cabo-verdiana é expressiva.

Fonte: InforPress

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo