Cabo Verde entrega candidatura da morna a património mundial na UNESCO a 26 de Março

O Governo vai entregar na próxima segunda-feira, na UNESCO a candidatura da morna, o género musical mais emblemático do país, a Património Imaterial da Humanidade, esperando conhecer a decisão em Dezembro de 2019, foi ontem anunciado.

Cabo Verde vai entregar a candidatura da morna a Património Imaterial da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) depois de o Ministério da Cultura ter estado a trabalhar no dossier durante vários anos, através do Instituto do Património Cultural (IPC).

Hoje, o presidente do IPC, Hamilton Jair Fernandes, vai entregar simbolicamente o dossier de candidatura ao ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, que na segunda-feira o vai submeter à UNESCO.

Cabo Verde contou com o apoio de Portugal neste processo, tendo Paulo Lima, especialista na elaboração de processos de candidatura a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, estado no país para uma missão de assessoria técnica de apoio à instrução da candidatura.

Paulo Lima, também investigador da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, esteve envolvido nas candidaturas portuguesas ganhadoras do fado, cante alentejano e arte do chocalho. 

Na altura, em declarações à agência Lusa, o especialista disse que a morna "reúne todas as hipóteses" para ser inscrita enquanto género musical na lista do património imaterial.

"Tem vários pontos fortes: é identitária, tem uma forte expressão na cultura cabo-verdiana, serve como elemento de ligação entre os cabo-verdianos que estão em Cabo Verde e os que estão na diáspora. É uma prática musical que se transforma e reconstrói. Absorve e está em contínua mutação, mas há sempre uma identificação entre a cultura cabo-verdiana e este género musical", considerou.

Paulo Lima entendeu, por outro lado, que o principal desafio é a harmonização de um estilo 'world music', mas também de tocatinas.

Sublinhando a importância de, durante a elaboração da candidatura, ser colocado o foco no "ponto de vista técnico científico", Paulo Lima assinalou também a necessidade de uma "estratégia concertada da promoção" em particular durante o período entre a entrega da candidatura e a decisão. 

No dia 27 de fevereiro, o parlamento cabo-verdiano aprovou, por unanimidade, a data de 3 de Dezembro como Dia Nacional da Morna, dia em que nasceu Francisco Xavier da Cruz, mais conhecido por B. Léza (1905 - 1958), considerado um dos maiores compositores do país do género musical. 

O Dia Nacional da Morna visa homenagear todos os outros compositores, músicos e intérpretes, exaltar e reconhecer a sua importância e chamar atenção da sociedade cabo-verdiana para a necessidade de valorização do género musical.

Depois de entregar a candidatura, o país fica à espera de conhecer a decisão, em Dezembro de 2019, segundo previsão do Ministério da Cultura e das Indústrias Criativas.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis