Bienal de Dança de Veneza entrega hoje Leão de Prata a Marlene Monteiro Freitas

A entrega do Leão de Prata da Bienal de Dança de Veneza à coreógrafa cabo-verdiana Marlene Monteiro Freitas, em reconhecimento pela sua carreira, marca o calendário de hoje do festival, que encerra no próximo domingo.

O prémio é entregue a Marlene Monteiro Freitas depois da estreia italiana do espectáculo "Bacantes – Prelúdio para uma purga", estreado em Abril do ano passado, no Teatro Nacional D. Maria II, em Lisboa.

Nascida em 1979, em São Vicente, Cabo Verde, Marlene Monteiro Freitas é um "presença eletrizante", detentora de "um poder dionisíaco", nas suas produções, destacou a Bienal, quando anunciou a atribuição do prémio de carreira à bailarina e coreógrafa, no passado mês de janeiro.

Marlene Monteiro Freitas cofundou em Lisboa a estrutura cultural P.O.R.K, com a qual assinou coreografias como "Paraíso-coleção privada (2012-13) e "marfim e carne – as estátuas também sofrem" (2014), entre outras obras.

Em entrevista à Lusa, depois da atribuição do prémio, a coreógrafa explicou que, no seu processo de trabalho - cheio de referências de várias áreas artísticas -, lhe interessa "deformar algo para chegar a outra coisa", e que, "para chegar a uma metamorfose, é preciso haver forçosamente uma transgressão".

"O meu objectivo não é a transgressão em si, mas usá-la para atingir a metamorfose", justificou.

Outro aspecto importante nas suas motivações é o lado emocional de uma obra coreográfica.

"Claro que a narrativa é importante, mas interessa-me mais ter uma relação emocional com o público do que o reconhecimento de uma história na coreografia", apontou, sublinhando que dá também particular relevância à relação directa entre o bailarino e o público.

Em "Bacantes – Prelúdio para uma purga", que tem hoje estreia italiana, o ponto de partida é o mundo moral e estético de Eurípides, com apelo a factores comuns à sua obra - “a abertura, a impureza, a intensidade” –, com o objectivo de impor um “autêntico combate de aparências e dissimulações".

"Em Eurípides, está presente o delírio e o irracional. Manifesta-se a ferocidade e o desejo de paz, a selvajaria e a aspiração a uma vida simples. Encontram-se, no seu texto, direcções contraditórias, elementos que chocam, corpos íntegros que se desmembram e crenças testadas ao limite. Este é o mundo, moral e estético, que o autor convida a percorrer", lê-se na apresentação da obra. 

Estreada no ano passado, em Lisboa, no Teatro Nacional D. Maria II, em associação com o festival Alkantara e o Festival das Artes de Bruxelas, "Bacantes" contou ainda com apoio do Festival de Dança de Montpellier, do centro de desenvolvimento coreográfico Le Cuvier, d'O Espaço do Tempo, de Montemor-o-Novo, do Teatro Municipal do Porto e do Programa Cultura da União Europeia. 

O festival belga, na apresentação da obra, disse que Marlene Monteiro Freitas é "uma das maiores descobertas da actual cena internacional", capaz de "fascinar audiências com a sua linguagem de abundante vitalidade, o seu imaginário forte e a riqueza de referências" que detém. 

A Bienal de Dança de Veneza encerra no próximo domingo. Nesta edição, foi igualmente homenageada a coreógrafa norte-americana Meg Stuart, com a atribuição do Leão de Ouro de Carreira, conhecida do público português por criações como "Running", "Violet", "Hunter" ou "Blessed".

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Respostas rápidas: Quem deve pagar a Taxa de Segurança Aeroportuária?

São Vicente: Kiki Lima expõe “Real aparência” quando está prestes a completar 50 anos de pintura

Número de hóspedes aumentou 9,5% no segundo trimestre de 2018 face ao período homólogo – INE

Frescomar anuncia novos investimentos em São Vicente e no Sal de mais de seis milhões de euros

Direitos: Cabo Verde destaca em conferência no Canadá apoio do governo e instituições aos movimentos LGBTI

Santo Antão recebe três centros de interpretação turística para retratar património e identidade cultural da ilha

Raiz di Polon na 10ª edição do Festival de Teatro Lusófono

MCIC visita oficina de verão na Cesária Évora Academia de Artes

Filme cabo-verdiano “Firmeza” seleccionado para o Sacramento Underground Film & Arts Festival dos EUA

Filme “Os dois irmãos” selecionado para a competição oficial no 42º Festival de Cinema de Montreal/Canadá

Ilha do Fogo: Projecto “Rotas do Fogo” define estratégias e cria comités municipais para implementação do modelo agro-turismo

Nosi e Cabo Verde TradeInvest na China para dar avanço ao projecto de Computação em Nuvem da África Ocidental

Reconhecimento internacional do vinho do Fogo é exemplo para produtores de grogue de Santo Antão

“Se Cabo Verde não é capaz de organizar um discurso histórico, alguém será capaz”

Cabo Verde conquista duas medalhas de ouro no concurso Mundial de Vinhos Extremos em Itália

Editorial: Estado da Nação em “gestão corrente”

Quem comprar a TACV assume a gestão por, pelo menos, 5 anos

Primeiro-ministro anuncia proposta da Icelandair para comprar TACV

Exportações aumentam 14% no 2º trimestre deste ano

Empresários desesperam pela mobilidade económica

Angola, Brasil e Moçambique têm total de 720 mil "escravos modernos". Cabo Verde também faz parte da lista

Suspensão levantada. Cabo Verde Airlines já pode voltar aos aeroportos italianos

Cabo Verde apresenta programa da presidência da CPLP

“Os alunos que só sabem crioulo, o resultado é o isolamento”

Recém-criada Associação de Turismo do Maio almeja transformar a ilha num destino de excelência

A África precisa livrar-se da "Ajuda que mata", defende autora Dambisa Moyo