Banana de Santa Cruz poderia abastecer mercado turístico de Sal e Boa Vista

Através de uma "parceria estratégica" entre os municípios seria possível transformar de forma radical a dinâmica dos pequenos produtores e das rabidantes

Não é de hoje que os produtores locais se vêm questionando sobre o facto de ser praticamente residual o número de produtos locais, produzidos em Cabo Verde, que chegam ao mercado turístico das ilhas do Sal e Boa Vista.

A resposta reside em grande parte na falta de associativismo por parte dos próprios produtores, que sozinhos não conseguem ultrapassar os desafios da escala de mercado.

Este é um dos grandes desafios que se coloca ao desenvolvimento económico local das regiões rurais de Cabo Verde, especialmente de Santiago, mas também do Fogo, Santo Antão e São Nicolau onde as potencialidades ao nível da produção agrícola são inúmeras.

A tónica entre a necessidade do associativismo e da importância das cooperativas foi um dos temas em debate ontem à tarde no Painel Interactivo sobre os desafios comuns e o potencial dos SIDS e dos pequenos estados insulares, no âmbito do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local a decorrer desde terça-feira, 17, na capital.

Tendo como particularidade o caso de Cabo Verde, Amílcar Monteiro, Consultor em Políticas de Desenvolvimento foi um dos intervenientes deste painel e deu o exemplo do que se passa actualmente com a falta de aproveitamento das potencialidades da produção de banana no concelho de Santa Cruz, em Santiago e os intervenientes em toda a fileira produtiva.

Este que é o maior produtor de banana de Cabo Verde não está a tirar partido do mercado turístico das ilhas do Sal e Boa Vista, tendo em conta que Santa Cruz produz 19 mil toneladas de banana/ano e o mercado turístico dessas ilhas consome 500 toneladas ao ano.

“As rabidantes que vendem banana no Sal e na Boa Vista, revendem a banana a um operador que depois, por sua vez, vende as bananas aos hóteis. Trabalhando de forma individual, elas ficam afastadas da cadeia de valor e perdem-se no percurso de uma cadeia fragmentada”, alertou.

Esse Consultor acredita que através de uma “parceria estratégica” entre estes municípios seria possível transformar de forma “radical” a dinâmica dos pequenos produtores e das rabidantes.

Fonte: A Nação

Notícias

​Cabo Verde Ocean Week orçada em 28 mil contos

Praia: A cidade que cresce a dois ritmos aos olhos de toda a gente

Cabo Verde em termos empresariais ainda é um “país virgem” – Believe Group

Cerca de 130 empresas participam na FIC que este ano está voltada para a CPLP

CCISS vai assumir a presidência da Confederação Empresarial da CPLP de olhos postos na mobilidade