Banana de Santa Cruz poderia abastecer mercado turístico de Sal e Boa Vista

Através de uma "parceria estratégica" entre os municípios seria possível transformar de forma radical a dinâmica dos pequenos produtores e das rabidantes

Não é de hoje que os produtores locais se vêm questionando sobre o facto de ser praticamente residual o número de produtos locais, produzidos em Cabo Verde, que chegam ao mercado turístico das ilhas do Sal e Boa Vista.

A resposta reside em grande parte na falta de associativismo por parte dos próprios produtores, que sozinhos não conseguem ultrapassar os desafios da escala de mercado.

Este é um dos grandes desafios que se coloca ao desenvolvimento económico local das regiões rurais de Cabo Verde, especialmente de Santiago, mas também do Fogo, Santo Antão e São Nicolau onde as potencialidades ao nível da produção agrícola são inúmeras.

A tónica entre a necessidade do associativismo e da importância das cooperativas foi um dos temas em debate ontem à tarde no Painel Interactivo sobre os desafios comuns e o potencial dos SIDS e dos pequenos estados insulares, no âmbito do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local a decorrer desde terça-feira, 17, na capital.

Tendo como particularidade o caso de Cabo Verde, Amílcar Monteiro, Consultor em Políticas de Desenvolvimento foi um dos intervenientes deste painel e deu o exemplo do que se passa actualmente com a falta de aproveitamento das potencialidades da produção de banana no concelho de Santa Cruz, em Santiago e os intervenientes em toda a fileira produtiva.

Este que é o maior produtor de banana de Cabo Verde não está a tirar partido do mercado turístico das ilhas do Sal e Boa Vista, tendo em conta que Santa Cruz produz 19 mil toneladas de banana/ano e o mercado turístico dessas ilhas consome 500 toneladas ao ano.

“As rabidantes que vendem banana no Sal e na Boa Vista, revendem a banana a um operador que depois, por sua vez, vende as bananas aos hóteis. Trabalhando de forma individual, elas ficam afastadas da cadeia de valor e perdem-se no percurso de uma cadeia fragmentada”, alertou.

Esse Consultor acredita que através de uma “parceria estratégica” entre estes municípios seria possível transformar de forma “radical” a dinâmica dos pequenos produtores e das rabidantes.

Fonte: A Nação

Notícias

Turismo: Reino Unido lidera entradas e dormidas em Cabo Verde no 3º trimestre

Santiago: Escola de Música de São Domingos é inaugurada hoje

Mindelact’ 2017 – Organização diz que foi o melhor de sempre

“Na bancada todos têm opinião”, a resposta de Olavo Correia a José Maria Neves

Portugal acolhe Fórum de Desenvolvimento de Cabo Verde com enfoque no investimento externo

Bruma seca: voo da TAP desviado de São Vicente para a Praia

São Vicente: 21ª FIC com 100 expositores 53% dos quais de operadores de Cabo Verde

Cabo Verde e China renovam acordo no domínio da defesa

Mindelo acolhe XXI Edição da Feira Internacional de Cabo Verde

Ulisses Correia preside abertura Fórum Nacional de Educação

Estado ainda não concretizou entrada no capital da Binter Cabo Verde

Chegou o primeiro avião da Icelandair, há mais três a caminho

Fundação Amílcar Cabral cria circuito turístico do grogue e seus derivados em Santo Antão

Carvão do Maio pode vir a ser comercializado a partir de quarta-feira com marca própria

TUI já voa directo de Amsterdão para a Praia

Jorge Figueiredo acreditado como embaixador de Cabo Verde em Angola

Plano de emergência de Santa Catarina do Fogo ascende a 22 mil contos

Jaime Mayaki, OMT: O turismo não pode continuar a ser pensado como antes

TACV retoma ligações diárias entre Praia e Lisboa a partir de 7 de Novembro

Morabeza Festa do Livro arranca com formações e lançamento de livro de Eugénio Tavares

Porto Novo: Criação da paróquia São João Paulo II vai no mesmo sentido daquilo que pretendemos a nível autárquico – edil

Arlindo Carvalho é o novo presidente da Cruz Vermelha de Cabo Verde

Presidente da Câmara de Deputados de Luxemburgo visita Cabo Verde

Banana de Santa Cruz poderia abastecer mercado turístico de Sal e Boa Vista