Artistas da CPLP pedem "passaporte artístico"

Agentes culturais da Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) defenderam ontem, a possibilidade de lhes ser facultado um passaporte diplomático, na qualidade de artistas, para que possam viajar e levar a cultura a outros continentes.

A ideia foi apresentada durante o Workshop sobre o tema “CPLP- Arte, Cultura e Música sem Fronteiras- Livre Trânsito” realizado segunda-feira à tarde, num dos hotéis da Cidade da Praia, no âmbito da primeira edição do projecto Residência Artística – Sons da Lusofonia, que decorre na capital cabo-verdiana, de 13 a 22 do corrente.

No debate, que arrancou com uma explanação de Patrick Borges, do Kriolideias, ficou claro o nível de frustração que os artistas têm quando “mendigam” visto para outros países, particularmente para a CPLP.

“É uma frustração a nível da CPLP o que nos faz pensar que na comunidade existem apenas dois países, Portugal e Brasil, e que o resto é tudo abaixo. Nós quando temos de ir a estes dois países é com muita dificuldade, mas já os seus cidadãos para virem a Cabo Verde é muito fácil”, disse.

Perante esta realidade, Patrick Borges, que também é manager e produtor, questionou o facto de alguns mercados serem mais livres, quando a arte, que é a identidade de um povo, não conseguir ter essa “livre circulação”.

E por se tratar de um “problema sério” a nível da CPLP, o agente cultural espera que com Cabo Verde à frente da organização, seja possível dar passos favoráveis para a livre circulação.

Já o músico português Zé Perdigão, que ultimamente tem trabalhado com artistas cabo-verdianos, entende que é preciso que haja um passaporte que acredite os músicos a sair do país, sem terem de sofrer com vistos.

Remna Schwarz lamentou também que a livre circulação no espaço CPLP não seja uma realidade e referiu-se às dificuldades de transportar uma equipa musical a outros países membros da Comunidade.

A Iª edição do projecto “Residência Artística” conta com um programa que abrange exposições de artesanato, pintura, fotografia, workshops, literatura, responsabilidade social, através de pequenos concertos, e conferências.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis