Santo Antão: Doutoramento em turismo confirmado para Setembro no quadro do projeto Raízes

O arranque do doutoramento em turismo, que vai ser ministrado, durante três anos, pelo Instituto Superior das Ciências Económicas e Empresarias (ISCEE), em parceria com a Universidade do Algarve, Portugal, está confirmado para setembro.

Este doutoramento, o primeiro a ser realizando em Cabo Verde, e cujo despacho de acreditação foi emitido desde os finais de 2017, pela ministra da Educação, insere-se no âmbito do projeto das redes locais para o turismo sustentável e inclusivo em Santo Antão (Raízes), promovido pela Associação para a Defesa do Património de Mértola, Portugal.

O presidente da Associação para a Defesa do Património de Mértola, Jorge Revés, confirmou à imprensa o arranque, a partir de setembro, do doutoramento, informando que os interessados têm até finais de Junho para proceder às inscrições.

Também, no âmbito do projeto Raízes, cofinanciado pela União Europeia e o Instituto Camões (Portugal), foi concluído, este domingo, no Porto Novo, o curso de agentes de desenvolvimento em turismo, com participação de 22 jovens das ilhas de Santo Antão e São Nicolau.

A formação, homologada pelo Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP), decorria desde o mês de março, abrangendo uma componente teórica de 536 horas e ainda um período de formação prática em contexto de trabalho.

O projeto Raízes, que está a ser implementado em Santo Antão desde 2017, tem como objetivo promover o turismo sustentável como fator de geração de rendimentos e de melhoria das condições socioeconómicas das populações em Santo Antão.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”