Santiago e São Vicente acolhem festival de cinema itinerante de Língua Portuguesa

FESTin- itinerância Cabo Verde é o evento que inicia hoje e decorre na Praia e em São Vicente até o dia 26

A X edição do festival de cinema itinerante da Língua Portuguesa conta com uma programação recheada de filmes para jovens e adultos.

O filme brasileiro Boni Bonita vai ser exibido hoje no auditório da Universidade Lusófona de Cabo Verde, pelas 18 horas. O filme foi lançado em 2018 e relata a vida de Beatriz, uma argentina de 16 anos, que após a morte da mãe, muda-se para o Brasil em busca do pai ausente. Conhece o músico Rogério, de 30 anos e entra num relacionamento tóxico.

O FESTin visa celebrar e fortalecer as diferentes expressões culturais dos países de língua portuguesa através do audiovisual, em ambientes de partilha, intercâmbio e inclusão social. Foi criado em 2010 e tem vindo a realizar itinerâncias em países da CPLP e não só.

Em simultâneo decorre o 1º Festival Internacional de Cinema Infanto-juvenil ‘MINIs’. Vão ser exibidos filmes de Brasil, Portugal e Moçambique dirigidos a crianças e adolescentes de 3 a 15 anos.

A primeira sessão do filme do festival do cinema infanto-juvenil acontece amanhã, 18, com a apresentação do filme ‘Tainá, a origem’ no Centro Cultural Português.

A iniciativa inclui um concurso para a realização de curtas sobre o meio ambiente de até um minuto de duração. Os 9 melhores filmes receberão prémios oferecidos pela Unitel T+. Podem participar crianças de 8 a 12 anos residentes em Cabo Verde e podem ser auxiliados pelos pais na realização das curtas.

A organização do FESTin conta com o apoio do Instituto Camões do Centro Cultural Português e outros.

Fonte: A Nação

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”