Ministro das Finanças diz que Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável é o “sonho” rumo ao crescimento em 7%

O Ministro das Finanças entregou hoje ao presidente da Assembleia Nacional, a proposta do Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável 2017/2021 (PEDS), que considerou ser um “sonho” do país em vista a impulsionar o crescimento de 7 (%).

Olavo Correia fez essas considerações em declarações à imprensa à saída do encontro, após ter entregue oficialmente o documento nas mãos do presidente da Assembleia Nacional, tendo na ocasião considerado que o almejado crescimento 7% depende da postura dos cabo-verdianos perante o PEDS 2017/2021.

“É só uma questão de postura, pois, se esperamos que venha acontecer, isso não acontecerá. Temos de trabalhar para fazer o acontecer. São pessoas, as empresas e as instituições que fazem o crescimento da economia cabo-verdiana”, disse, sublinhando, por outro lado, que a ambição do Governo de Cabo Verde é “muito alta”.

Olavo Correia, disse ainda “preferir ser mediano” dos melhores do que o melhor dos piores, pois, sustentou, quando a meta é elevadíssima e ambiciosa “os nossos fracassos é o melhor sucesso de todos os outros”.

Conforme o ministro das Finanças, se todos trabalharem para uma estratégia e meta, Cabo Verde terá todas as condições para crescer no turismo, nos transportes marítimos, no sector financeiro, na tecnologia, no comércio e na indústria.

Sustentou ainda, que o Governo tem a função de liderar, enquanto as pessoas, as empresas e as instituições fazem o desenvolvimento do país.

“Um país desenvolvido não acontece por magia, para isso, temos de agir e criar plataformas nos mais diversos domínios e sustentável do ponto de vista económico, social, ambiental, inclusivo, mas também democrático”, salientou.

Neste particular, Olavo Correia, lembrou que um país plataforma, é um Estado que aposta sobretudo, no sector privado, visando a plataforma no sector do turismo, industrial e comercial, tecnologia de inovação, sector financeiro, transportes aéreos e marítimos e, particularmente, num clima de negócios propício a atração de investimos privados nacionais e estrangeiros.

Para isso, segundo o governante, o arquipélago terá de criar um sistema de educação de excelência, uma governação eficiente seja no plano central ou municipal, assim como empresas bem geridas que criam valores, importam e conseguem realizar a visão do país rumo ao desenvolvimento.

Questionado, se caso o Governo não conseguir os 400 mil contos necessários para a implementação do plano, não criava dificuldades, Olavo Correia, disse que a missão do Estado é criar o ambiente de negócios e mobilizar recursos para que os privados possam liderar na criação de plataformas.

Ao receber o Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável 2017-2021 (PEDS), o presidente da Assembleia Nacional manifestou a sua satisfação por ter em mãos um documento “importante” para o desenvolvimento do país.

“Queremos conversar com os sujeitos parlamentares e agenda-lo para a sessão parlamentar. É uma reflexão necessária para, não só sonharmos o futuro, mas também, o presente e projectar a felicidade dos cabo-verdianos”, enfatizou.

O Plano Estratégico de Desenvolvimento Sustentável (PEDS) é um aglomerado de programas sectoriais e de políticas macroeconómicas, estruturais e sociais do país para os próximos cinco anos, que tem como objectivo central, promover o desenvolvimento sustentável de Cabo Verde.

As metas traçadas e que estão ancoradas no Programa do Governo, vão desde o crescimento económico de 7%; a redução da taxa de desemprego de 15 para 9%; o aumento do PIB per capita em paridade de poder de compra de 6744 dólares para 8864 dólares em 2021; o aumento do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH); a redução o coeficiente de gini com vista à diminuição das desigualdades nas nossas ilhas e redução da pobreza de 35 para 28,2%, entre outros.

Fonte: InforPress

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”