Zâmbia inteira-se da experiência de gestão de água e saneamento em Cabo Verde

Uma delegação da Zâmbia encontra-se na cidade da Praia para conhecer de perto a experiência cabo-verdiana em reformas políticas, legais e institucionais na área de gestão de água e saneamento, apurou a PANA terça-feira de fonte oficial.

Tais reformas estão a ser implementadas em Cabo Verde, no âmbito do Segundo compacto do Millenium Challenge Account (MCA-CV II), financiado pelos Estados Unidos.

Em declarações à imprensa, o porta-voz da delegação zambiana, Choolwe Haamukwanza, disse que o seu país já tem garantido um financiamento de 354 milhões de dólares dos Estados Unidos para financiar o crescimento económico e reduzir a pobreza.

Neste sentido, ele considera importante beber da experiência de Cabo Verde na implementação dos projetos no domínio da água e saneamento no âmbito do MCA-CV II, que já permitiu ao arquipélago alcançar progressos em áreas de água e saneamento.

“Queremos aprender com Cabo Verde o que foi bem sucedido. Neste momento, precisamos de criar na Zâmbia uma unidade autónoma de gestão de água e saneamento no quadro do conselho municipal da cidade de Lusaka”, precisou Choolwe Haamukwanza.

No decorrer da visita, que termina no próximo dia 18, a delegação zambiana vai reunir-se com representantes de diversas instituições, nomeadamente a Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS), a Agência de Regulação Económica (ARE), Águas de Santiago e Direção Nacional do Ambiente.

Do programa constam ainda encontros de trabalho com representantes do Ministério da Agricultura e Ambiente e da Câmara Municipal da Praia.

Segundo o diretor da Unidade de Gestão do MCA-CV II, Hélder Santos, a experiência de Cabo Verde como primeiro país a iniciar o segundo compacto do MCA-CV II pode servir de modelo para os outros países, nomeadamente no setor da água e saneamento.

O MCA-CV II, que termina em finais de 2017, engloba o Projeto de Água, Saneamento e Higiene - WASH - no valor de 41,1 milhões de dólares americamos e foi concebido para apoiar a reestruturação do setor.

Esta reestruturação é feita através de uma reforma, que, para além de outras atividades, pretende estabelecer uma base institucional financeiramente sólida, transparente e responsável para a prestação de serviços às famílias e empresas cabo-verdianas.

O projeto tem três componentes, designadamente a reforma institucional e legal, a reforma das operadoras e criação do Fundo de Água e Saneamento (FASA)/Fundo de Acesso Social (FAS).

Fonte: Panapress

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos