UNESCO recomenda a Cabo Verde ratificação de convenções sobre património imaterial

O director regional da UNESCO em Dacar, Gwang-Chol Chang, recomendou ontem a Cabo Verde a ratificação de algumas convenções relacionadas com o património imaterial, numa altura que o país quer candidatar a morna a património da Humanidade.

 "Há uma convenção internacional sobre o património imaterial e diversidade de expressão cultural que convidamos Cabo Verde a ratificar para o reforço da cooperação com o país. Sabemos que Cidade Velha é Património Mundial da UNESCO, mas Cabo Verde tem a vantagem e a possibilidade de inscrever a morna", disse Gwang-Chol Chang, citado pela agência cabo-verdiana de notícias, Inforpress.

O director regional da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO) falava aos jornalistas, na cidade da Praia, depois de encontro com o ministro da Cultura e Indústrias Criativas de Cabo Verde, Abraão Vicente.

Gwang-Chol Chang está em Cabo Verde para participar no IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local, que decorre na cidade da Praia com mais de 2.700 participantes e 190 oradores e conferencistas.

O director regional da UNESCO, que cumpre a sua primeira missão em Cabo Verde, destacou a "enorme riqueza" do património cultural, arquitectónico, musical e artístico do país e mostrou-se empenhado em fazer chegar o exemplo cabo-verdiano a outros países da região.

Por sua vez, o ministro da Cultura e das Indústrias Criativas, Abraão Vicente, mostrou abertura para que o país possa aderir, nos próximos meses, à convenção da protecção das riquezas subaquáticas e a quatro convenções relacionadas com os direitos de autor.

Cabo Verde está a preparar a candidatura da morna a Património Imaterial da Humanidade da UNESCO, projecto que conta com o apoio técnico da cooperação portuguesa através do antropólogo Paulo Lima.

Abrãao Vicente disse que Cabo Verde está a elaborar "convenientemente" o dossiê de candidatura, adiantando que uma equipa técnica do Instituto do Património Cultural já fez todo o levantamento a nível nacional e deverá partir, em breve, para Portugal para fazer o levantamento nas comunidades cabo-verdianas.

"Creio a 31 de Março de 2018 entregamos a nossa candidatura e começaremos o nosso trabalho de convencimento dos nossos parceiros para que a morna seja Património da Humanidade ainda em 2018", assegurou.

Quatro meses antes de submeter o dossier, revelou que agora é preciso fazer uma promoção da morna, para que de facto as pessoas possam conhecer aquele género musical e de dança de Cabo Verde.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras