Televisão Terrestre Digital inicia programas em Cabo Verde

A Televisão Terrestre Digital (TDT) inicia programas em Cabo Verde, abrangendo, numa primeira fase, as ilhas de Santiago (a maior do país), Maio, Sal e São Vicente, totalizando 12 concelhos e representando mais de 60% da população do país, anunciou terça-feira o ministro cabo-verdiano da Cultura e Indústrias Criativas, Abraão Vicente.
Conforme determinou a União Internacional de Telecomunicações (UIT), as emissões da TDT em Cabo Verde deveriam arrancar em junho de 2015, mas alguns constrangimentos, como o atraso na chegada de equipamentos, levaram a sucessivos adiamentos na implementação da medida.
Ao anunciar o arranque das emissões, o governante, que tutela o setor da Comunicação Social, garantiu que, a partir de setembro próximo, terá inicio a segunda fase da implementação do projeto.
Caso não haja nenhum imprevisto, acrescentou, as emissões da TDT vão ser alargadas a todas as restantes ilhas do arquipélago cabo-verdiano, designadamente Santo Antão, São Nicolau, Boa Vista, Fogo e Brava, a partir do segundo trimestre de 2017.
Abraão Vicente assegurou que atualmente o projeto se encontra no período de “simulcast” ou seja, com emissões analógica e digital em simultâneo.
No entanto, alertou que, quando chegar a fase em que não haverá mais produção de equipamentos para transmissão analógica, o país vai estar completamente adequado aos novos tempos no domínio da televisão.
Apesar de reconhecer que Cabo Verde deu um “grande passo” com o início das emissões da TDT, no âmbito de um projeto em que já foram investidos 11 milhões de euros, o governante disse estar consciente dos desafios ainda existentes neste setor, sobretudo novos conteúdos para canais nacionais e internacionais que operam no arquipélago, bem como a empresa que vai gerir a instalação da TDT.
"São os próximos passos que o Governo vai trabalhar juntamente com a Agência Nacional das Comunicações (ANAC) para implementar o mais rapidamente possível e com a máxima qualidade desejada", disse.
No que se refere às pessoas sem condições de comprar o buquê adequado de transformação do sinal analógico em digital, Abraão Vicente garantiu que estão previstas, no Orçamento do Estado, isenções alfandegárias para a importação, fazendo com que os descodificadores sejam acessíveis.
Os preços não passarão de dois mil escudos (cerca de 18 euros), assinalou o ministro, sublinhando que não vai significar um custo muito grande para os Cabo-verdianos, tendo em conta que os canais que já estavam em sinal aberto vão continuar a sê-lo.
O governante assinalou também que a TDT vai eliminar "zonas sombrias" de acesso ao sinal da televisão no arquipélago e levar a televisão lá onde nunca as pessoas tiveram acesso.
"A abrangência do sinal digital é já por si só uma vantagem", regozijou-se, afirmando que será também uma oportunidade de negócio para empresas cabo-verdianas, para partidos, governos, instituições e a sociedade em geral.

Fonte: Panapress

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras