Santo Antão: Vinda de turistas islandeses à ilha confirma que turismo local está a conquistar novos mercados na Europa

Santo Antão recebeu, esta semana, já no fecho da época alta, o primeiro grupo de turistas provenientes da Islândia, facto que, no entender dos operadores turísticos, confirma que o turismo santantonense está a conquistar novos mercados na Europa.

Porém, nos últimos tempos, têm chegado à ilha grupos de turistas de outros países europeus, designadamente da Eslovénia e Checoslováquia e, esta semana, da Islândia, facto que agrada aos operadores, que acreditam que o turismo santantonense está a conquistar novos mercados europeus.

“É só ir todos os dias ao caís do Porto Novo e ver a quantidade de turistas de países como a Checoslováquia e Eslovénia que chegam a Santo Antão à procura do turismo da natureza”, confirma Sandra Pereira, da agência Atlantur, no Porto Novo.

O guia e, também, operador turístico, Odair Gomes, enaltece, igualmente, o facto de turistas das Islândia começarem a “mirar” Santo Antão, com a vinda do primeiro grupo de visitantes à ilha, esta semana.

O posto do turismo do Porto Novo ressalta, também, o facto de Santo Antão começar a receber turistas islandeses que, de passagem pela Ilha das montanhas, puderam, através dos miradouros, contemplar “as belezas paisagísticas únicas que só Santo Antão oferece”.

No entender do vereador da edilidade porto-novense Valter Silva, trata-se de “mais uma oportunidade” que se está a criar junto do mercado turístico dos países nórdicos, pelo que Santo Antão tem de ter “a visão de o saber aproveitar para a diversificação” da sua da oferta turística.

“A majestosa ilha de Santo Antão tem um futuro muito grande no turismo sustentável e os instrumentos que estão na agenda dos poderes locais serão, sem dúvida, a grande alavanca”, sublinha este autarca, que responde pelo pelouro de promoção económica, sublinhando os esforços que estão sendo empreendidos a nível da ilha com vista a fazer de Santo Antão “um destino de referência mundial”.

Os operadores locais têm estado, com apoio da Associação do Turismo de Santo Antão, a explorar mercados em África, também, como forma de atenuar o problema de sazonalidade, que ainda tem condicionado a atividade turística, nesta ilha.

Entre Junho e Outubro, a chamada época baixa, a atividade turística nesta região decresce, drasticamente, razão pela qual os operadores tem estado a sondar mercados em África, sobretudo em países como Senegal, Mauritânia, Gana e Costa de Marfim, para atenuar o problema de sazonalidade.

Trata-se de países que, como associados de terceiros, integram o projecto Eco-Tur, financiado, em 250 mil contos, pela União Europeia (UE), através do programa de cooperação territorial entre Portugal e Espanha, o qual , além de Santo Antão, em Cabo Verde, contempla ainda municípios das Canárias, Açores e da Madeira.

A Câmara do TurismodeCabo Verde admite, igualmente, que o mercado da costa ocidental africana pode ser “extremamente importante” para Santo Antão, já que pode ajudar a ultrapassar o problema de sazonalidade, que ainda caracteriza o turismo nesta ilha.

Os turistas que chegam a Santo Antão vêm à procura, sobretudo, da beleza natural da ilha, do contacto com a natureza, da hospitalidade das pessoas, da cultura e gastronomia, mas também para fazer caminhadas em trilhas e observar a flora e fauna.

Ribeira Grande é o concelho mais visitado e onde os turistas mais pernoitam (63%), seguido pelo Paul (48%) e Porto Novo (31%), sendo os hotéis os principais meios de alojamentos utilizados, revelam o estudo apresentado em Março pelo projeto Raízes (Redes locais para o turismo sustentável e inclusivo em Santo Antão).

O vale do Paul, Ponta do Sol, Fontainhas, Cova e Tarrafal de Monte Trigo são os sítios por onde mais passam os turistas oriundos, na sua maior parte, da França (estima-se que 11 mil turistas franceses visitam, anualmente, Santo Antão).

A época alta do turismo em Santo Antão, que termina agora em Maio, foi marcado, este ano, pela negativa, pelos “preços elevados” dos transportes aéreos, segundo os operadores.

O Governo diz que, não obstante, o turismo em Santo Antão tem estado a crescer, tendo-se registado, no quarto trimestre de 2018, um crescimento de 14%, face ao período homólogo em 2017.

Uma outra situação que, no entender dos operadores, marcou, negativamente, o turismo em Santo Antão tem a ver como estado do saneamento na ilha, sobretudo com a situação da lixeira inter-municipal da Ribeira Brava, na fronteira entre Porto Novo e Paul, que constitui já “um problema de saúde pública”, alertam.

Pela positiva, a temporada alta do turismo em Santo Antão fica marcada pela abertura do posto do turismo do Porto Novo, construção de uma rede de miradouros turísticos nos planaltos Norte e Leste e pela sinalização de seis rotas turísticas nos três concelhos.

São investimentos que estão “colocar” Santo Antão “na rota nos grandes destinos do ecoturismo”, segundo os responsáveis municipais.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Açores apoia Cabo Verde na valorização das cadeias de valor agrícolas

FIC “despede-se” da Laginha com balanço positivo

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências