Presidente cabo-verdiano procura apoios para alargamento da parceria com UE

O Presidente cabo-verdiano, Jorge Carlos Fonseca, inicia esta segunda-feira, em Bruxelas (Bélgica), uma série de contactos  no âmbito da formalização do pedido feito pelo seu país para o alargamento da Parceria Especial estabelecido com a União Europeia (UE), há cerca de 10 anos.

Esta segunda-feira, o ministro cabo-verdiano dos Negócios Estrangeiros, Luís Filipe Tavares, apresenta a proposta de alargamento da Parceria Especial no âmbito do qual Cabo Verde quer incluir novas áreas na cooperação com a Europa, nomeadamente o investimento e a criação de emprego, a gestão dos oceanos, a economia marítima e reformas institucionais.

Em declarações à imprensa antes de rumar para Bruxelas, sexta-feira última em busca de apoios a esta iniciativa, Jorge Carlos Fonseca explicou que vai tentar “cimentar essa pretensão de alargamento e aprofundamento da parceria, nomeadamente com a introdução de novos pilares”.

Jorge Carlos Fonseca mostrou-se otimista quanto à recetividade das instituições europeias às pretensões de Cabo Verde.

“Temos que ser otimistas sempre. É um trabalho que está a ser feito há algum tempo. Há conversações”, disse o chefe de Estado.

Também, o representante da UE em Cabo Verde, José Manuel Pinto Teixeira, disse-se sexta-feira última a jornalistas na cidade da Praia, "convencido de que o alargamento da parceria será uma realidade"

O programa do Presidente cabo-verdiano em Bruxelas começa por uma intervenção, esta segunda-feira, perante o comité de embaixadores do Grupo África Caraíbas e Pacífico, encontrando-se, de seguida, com o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

Jorge Carlos Fonseca será recebido terça-feira pelo Rei Philippe da Bélgica, devendo de seguida visitar o Parlamento Europeu onde se vai encontrar com o presidente do Parlamento Europeu, António Tajano, e com o Grupo dos Amigos de Cabo Verde.

No final do dia, o chefe de estado cabo-verdiano será recebido na Comissão Europeia pelo seu presidente, Jean Claude Juncker.

A Parceria Especial entre Cabo Verde e a União Europeia, única do género no continente africano, foi aprovada em novembro de 2007, institucionalizando um diálogo político regular entre as partes.

A parceria é regulada por seis pilares, nomeadamente a boa governação, segurança e estabilidade, integração regional, convergência técnica e normativa, sociedade da informação e do conhecimento, luta contra a pobreza e desenvolvimento.

A UE, que começou por apoiar Cabo Verde no âmbito da ajuda pública ao desenvolvimento, logo após a independência do país em 1975, tem sido um dos principais parceiros para que o país possa alcançar as suas metas políticas e estratégias de desenvolvimento.

O apoio da UE tem sido feito através do Fundo Europeu de Desenvolvimento (FED), cujo pacote de ajuda para 2016-2020 é de 50 milhões de euros.

Fonte: Panapress

Notícias

Dia Nacional da Cultura comemorado sob o lema “eu_génio: do legado à ficção”

Governo prevê funcionamento da Universidade Técnica do Atlântico em 2020/2021

Santiago Norte: Municípios juntam-se ao MCIC para homenagear a Morna no Dia Nacional da Cultura e Comunidades

São Nicolau: Projecto Caminhar inicia acção de capacitação em acompanhantes de “trekking”