Potencial turístico da lusofonia não se compadece com "fórmulas politicamente correctas"

O economista Manuel Ennes Ferreira destacou quinta-feira, em Lisboa, o potencial turístico dos países lusófonos, mas alertou que o interesse de turistas e investidores "não se compadece" com ideias como"fórmulas politicamente correctas"

O professor do Instituto Superior de Economia e Gestão e especialista em economia africana e desenvolvimento falava à agência Lusa à margem do II Fórum de Negócios e Investimentos Turísticos no Espaço da CPLP.

"O facto de o turismo ser uma atividade que coloca frente-a-frente as pessoas, tem um potencial de maior entendimento e conhecimento das identidades diferenciadas que compõem a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP). O mal é quando apenas se agarra à história e à ideia de que temos 500 anos de história e somos países irmãos", disse.

Durante a sua intervenção, perante uma plateia composta por representantes da área do turismo dos nove países da CPLP, Ennes Ferreira alertou para os riscos de partir dessas "fórmulas politicamente corretas" para achar que existem mercados turísticos naturais e que basta isso para fomentar o interesse de turistas e investidores.

"A única coisa que se pode dizer é que a língua é muito importante", afirmou.

Por outro lado, o docente assinalou que subsistem grandes obstáculos ao desenvolvimento turístico dos países lusófonos, nomeadamente os africanos, sobretudo relacionados como a instabilidade política, a insegurança ou a falta de infraestruturas.

"A ausência de infraestruturas em qualidade e rapidez que façam diminuir os custos para um turista que se desloca, as viagens de avião não são fáceis, as estradas são inexistentes, falha isto ou aquilo, tudo isto torna os custos incomportáveis e desmotiva um turista quando olha para outras paragens que têm uma oferta de grande qualidade", declarou. 

Por outro lado, a questão da instabilidade política "é uma das primeiras coisas que uma pessoa pensa quando se desloca", prosseguiu. 

"Há países que mostram que, desse ponto de vista, não tem havido problema, como Cabo Verde e São Tomé e Príncipe, mas depois há outros em que nunca se sabe o que vai acontecer amanhã, como a Guiné-Bissau ou Moçambique. Na parte norte há aquelas complicações [ataques em Cabo Delgado] que desmotivam. São só ali, mas as pessoas tomam a parte pelo todo", referiu.

O economista defendeu que estas são questões "muito importantes" e sobre as quais é urgente agir, mas assinalou que este é um trabalho de cada um dos países.

Ennes Ferreira disse ainda que a criação de um "estatuto do cidadão da CPLP" seria "um empurrão" para o desenvolvimento turístico dos países do espaço lusófono, mas mostrou-se convencido de que "vai levar muito tempo" para o implementar.

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis