PAICV acusa Governo de aumentar dívida pública de Cabo Verde

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), principal partido da oposição, acusou, sexta-feira, na cidade da Praia, o Governo de ter aumentado a dívida pública do país de 121% para 126% do Produto Interno Bruto (PIB).

Reagindo em conferência de imprensa aos resultados da missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) a Cabo Verde, concluída quarta-feira última, o vice-presidente do PAICV, José Veiga, lembrou que, aquando da discussão do Orçamento de Estado no Parlamento, em junho último, o Governo apontava para um endividamento do país na ordem dos 124%, sublinhando que o compromisso era baixar a dívida e não a aumentar.

"O compromisso assumido com os Cabo-verdianos foi de promover a redução da dívida pública (e não promover o seu aumento), com o argumento de que o país estava excessivamente endividado, que a dívida não era sustentável e que isso afetava negativamente a dinâmica económica", precisou.

José Veiga considerou que as conclusões do FMI vieram comprovar a tese, sempre sustentada pelos Governo do PAICV, de que "o endividamento de Cabo Verde foi analisado, planificado e avalizado pelos principais parceiros internacionais".

E sendo concecional, com prazos dilatados de pagamento e baixas taxas de juro, se revelou uma "grande janela de oportunidades para garantir a infraestruturação do país", acrescentou.

Considera que as conclusões da missão do FMI deixaram ainda claro que as estimativas da maioria de crescimento da economia a 7% por ano foram "um expediente eleitoral".

"Depois de ter adotado como uma das suas bandeiras de campanha, o crescimento de 7% do PIB para o ano, de modo a gerar cerca de nove mil empregos, eis que o Governo assumiu ter enganado os Cabo-verdianos", acusou José Veiga.

O vice-presidente do PAICV aludia desta forma às declarações do ministro das Finanças cabo-verdiano, Olavo Correia, que, esta semana, admitiu dificuldades em fazer crescer a economia a esses níveis.

Ao comentar os resultados da missão do FMI, Olavo Correia admitiu dificuldades em pôr a economia cabo-verdiana a crescer em média 7% por ano, mas assegurou que o Governo está a trabalhar para alcançar essa meta.

Contudo, o vice-presidente do maior partido da oposição assinala que "é o próprio FMI que vem alertar os Cabo-verdianos que as projeções de crescimento do país se situarão entre os 3% e os 4% demonstrando que as contas do MpD (partido no poder) estavam e estão erradas".

Ao fazer o balanço no final de duas semanas em Cabo Verde, o chefe da missão do FMI, Ulrich Jacoby, reconheceu que a economia cabo-verdiana começa a dar sinais de recuperação, mas mostrou-se preocupado com a situação financeira das empresas públicas, recomendando urgência numa solução que pare "a drenagem" de recursos do orçamento de Estado.

Alertou, por outro lado, para a importância de reduzir uma dívida pública "muito alta" que, nos últimos anos, combinada com os baixos índices de crescimento económico, "deteriorou consideravelmente os rácios" e aumentou o risco financeiro do país.

O Governo cabo-verdeano é suportado pelo Movimento para a Democracia (MpD), partido vencedor das eleições legislativas de 20 de março último.

Fonte: Panapress

Notícias

Preços da oferta turística diminuíram em termos homólogos -5,2% no segundo trimestre de 2019

Mindelo acolhe 72.º Centro de Língua Portuguesa que vai ser inaugurado quinta-feira

Brava: Master plan de turismo é o “guia maior”da planificação estratégica turística para a ilha até 2030 – edil

Novo hospital da Praia é um complemento aos hospitais de Cabo Verde e não vai substituir o HAN – PCA

Câmara Municipal do Sal apresenta plataforma “inovador” GEO Sal