Ondina Ferreira diz que Língua Portuguesa tem sido votada ao desprezo na sua oralidade e no seu uso quotidiano em Cabo Verde

Escritora e antiga ministra da Educação, Ondina Ferreira afirmou em entrevista, que a língua portuguesa tem sido votada ao desprezo na sua oralidade e no seu uso quotidiano em Cabo Verde.

Segundo Ondina Ferreira, lembrando das comemorações de 5 de Maio, dia da Língua Portuguesa, que tem notado este desprezo à língua de Camões nas áreas onde ela era normalmente usada sem qualquer problema como nas escolas, meio académico, na comunicação social e na função pública.

“Hoje em dia olham para mim, quando me dirijo a um balcão, e digo, minha senhora, bom dia eu desejava uma informação. E levantam-se porque não sabem responder-me em português. Isso era impensável há alguns anos. Como é possível que funcionários públicos, professores, alunos, ninguém fala português neste país,” questionou Ondina Ferreira.

Esta professora reformada lembrou que o português é também a nossa língua e ele não é falado, os alunos não conseguem entender os conceitos, os livros e nem interpretam as perguntas.

O mais grave disto tudo, prosseguiu Ondina Ferreira, é que há muitos casos de alunos cabo-verdianos que vão estudar nas universidades portuguesas e não conseguem sucesso nos seus estudos por não perceberem o que os professores ditem.

“Muitos chegam lá e fracassam e dizem eu não percebo o que é que o professor me diz nas aulas. Porque aqui em Cabo Verde não ouviram o português e não ouviram na escola a falar, a explicar e interpretar a língua portuguesa. Vão com grandes notas, chegam lá e não entendem nada”, enfatizou afirmando que esses alunos acabam por trabalhar como mecânicos ou outras profissões, frustrando completamente o seu programa de vida.

Entretanto, lembrou ainda que os cabo-verdianos que “éramos tidos e havidos”, no tempo que Cabo Verde não era independente, como dos países a seguir a Portugal que melhor falava a língua portuguesa.

“Vejam a desfeita que os angolanos nos fizeram a dizer que não precisam aprender português com os nossos professores porque não sabem falar português. No meu tempo isso não seria impensável, os angolanos não diriam isto”, elucidou a professora e ex-ministra da Educação realçando que hoje em dia os cabo-verdianos tornaram-se em “objetos de chacota” em matéria de português.

Para Ondina Ferreira a culpa de tudo isso é dos “crioulistas” que arranjaram uma “falsa guerra reagendada” entre o português e o crioulo, “que sempre conviveram na paz de Cristo”.

“Hoje em dia estes crioulistas, para promoverem o crioulo, brigaram com o português e obrigaram a nova geração a criar anticorpos à língua portuguesa. Essa é que é a pura e a dura realidade”, disse a professora reformada recordando que o português e o crioulo sempre coexistiram nas ilhas, conhecendo cada um o seu papel.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”