NOSi lança plataforma que permite acesso legal aos dados do Estado

O Núcleo Operacional da Sociedade de Informação (NOSi), lançou hoje a plataforma PDEX (versão BETA), que irá permitir as empresas o acesso a 400 terabytes de dados do Estado, mas com cumprimento dos “requisitos legais”.

A informação foi avançada à imprensa, pelo presidente do conselho de administração do NOSi, António Fernandes, após a visita do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, às instalações da instituição, na Cidade da Praia.

António Fernandes explicou que a plataforma  será um “passo enorme” para a “melhoria do ambiente de negócios” no País, pois irá permitir aos “donos dos dados” conceder ao setor privado o acesso, dentro dos requisitos legais, a um repositório de quase 400 terabytes de dados do Estado, recolhidos ao longo dos últimos anos de existência da Rede Tecnológica e Privada do Estado (RTPE)”.

“São dados que precisam ser trabalhados em informação e conhecimento e é um trabalho que tem ser feito por empresas que necessitam desses dados”, disse.

O PDEX irá ainda “aumentar a confiança” nas relações entre as empresas e os cidadãos e fazer com que decisões empresariais sejam tomadas com “maior celeridade e garantia”.

Outra vantagem destacada é a possibilidade de permitir à Comissão Nacional de Proteção de Dados a visibilidade “em tempo real” dos serviços Application Programming Interface (API), disponibilizados aos consumidores de dados, de modo a agir e garantir a legalidade das transações.

António Fernandes realçou que a estratégia é a de continuar a desenvolver governação electrónica, continuar a promover o estágio e a formação dos jovens recém-formados no desenvolvimento das tecnologias de ponta.

Fonte: InforPress

Notícias

Açores apoia Cabo Verde na valorização das cadeias de valor agrícolas

FIC “despede-se” da Laginha com balanço positivo

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências

​FIC 2019 em “casa apertada” no adeus à Laginha