Museu Etnográfico da Praia quer “atrair” público e triplicar o número de visitantes para este ano

O Museu Etnográfico da Praia quer este ano “atrair” o público em geral, além de estudantes, e ainda triplicar o número de visitantes que recebeu em dois meses de funcionamento com a sua reabertura em Outubro de 2016.

Em declarações, a nova diretora dos Museus do Instituto do Património Cultural (IPC), Maria Eugénia Alves, considerou que para que possam atrair o público e triplicar este número é preciso realizar várias atividades  para darem a conhecer os espaços, sensibilizar os visitantes em relação à preservação de patrimónios.

Maria Eugénia Alves adianta que uma das principais metas da sua gestão é expandir a visibilidade deste museu junto da população que vai desde estudantes, idosos, adultos nacionais e estrangeiros.

Segundo lembrou, o museu tem trabalhado muito com as escolas, principalmente com as da capital, um projeto que também vai continuar este ano intitulado “Projeto Museu e a Escola: Aprender brincando”, um projeto que vem desde 2011.

Este projeto, esclareceu é uma forma de levar o museu às escola e apostar nos mais pequeninos, com o objetivo de dar-lhes a conhecer os aspetos culturais e também aproveitar o museu para educá-los de forma informal, para que no futuro haja cidadãos “mais conscientes” da necessidade de preservação do património.

Ainda para este ano vão dar continuidade ao projeto “Brinca ku nos Língua” realizado por altura do Dia Internacional da Língua Materna (21 de Fevereiro), em que o museu divulga e promove a língua materna, ou seja, o crioulo.

Para esta antropóloga de formação, o crioulo é um “património maior que o país tem”, por isso realizam esta atividade com forma também de contribuírem na discussão da valorização do crioulo e a sua valorização enquanto língua oficial.

Colónias de férias, comemoração do Dia Internacional de Monumentos e Sítios (18 de Abril), Dia Internacional dos Museus (18 de Maio), Dia Nacional da Cultura (18 de Outubro) e participação no evento da edilidade praiense realizada em finais de Dezembro, Noite Branca, são outras atividades que vão materializar em 2017.

Este ano no evento “Noite Branca”, em que aproveitam a afluência do público na Rua 5 de Julho, onde fica situado o Museu Etnográfico da Praia, para divulgar e dar a conhecer e levar as pessoas para o museu, assegurou que tiveram um total de 898 visitantes, sendo 729 cabo-verdianos, número este que os deixa “bem contentes”.

A propósito desta afluência, anunciou que vão criar mais “dias livres ao museu” para que possam sensibilizar os cabo-verdianos a visitarem os museus, que no seu entender vai servir para ajudar na promoção da cultura de Cabo Verde e no conhecimento dos traços culturais, usos e costumes.

Em relação às novidades para este ano querem implementar “semanas culturais” no âmbito do Dia Mundial da Diversidade Cultural (21 de Maio) em que pretendem fazer atividades culturais com as minorias étnicas que residem principalmente na Cidade da Praia.

Para este projeto vão contar com o Ministério das Comunidades, que vai passar por uma exposição temporária com objetos tradicionais, história, gastronomia e palestras que este ano vai abranger a Guiné-Bissau e a China.

Do programa para este ano, consta ainda a organização de eventos para a comemoração do 20.º aniversário do Museu Etnográfico, com foco em ganhar a “notoriedade e conhecimento” das pessoas.

Têm ainda o projeto intitulado “Semana de Trajes”, que vai passar por uma exposição do mesmo, tendo em conta que não têm elementos suficientes, mas sim por exposição temporária de fotografias de pessoas trajados a rigor tradicional de todas as ilhas.

Dentro da “Semana de Traje”, querem ainda realizar palestras, teatros para retratar este tema, e ainda apresentação do grupo de batucadeiras de Cidade Velha que veste a moda tradicional.

Assegurou que apesar de se terem deparado com escassez de verbas, que podem condicionar e tanto os projectos para este ano, não vão “baixar os braços” e vão apostar em parcerias nacionais e internacionais para que possam executar os projectos em carteira.

De acordo com os dados avançados por esta responsável, de 18 de Outubro (reabertura do museu despois de estar dois anos encerrados) a 30 de Dezembro de 2016 receberam 2598 visitantes entre turistas e nacionais.

A entrada ao museu custa 100 escudos para nacionais, com excepções para crianças até 14 anos, estudantes e idosos e 200 para turistas.

Museu Etnográfico da Praia abriu as portas a 27 de Novembro de 1997, serve para preservar e divulgar o património (trajes tradicionais, olaria, panaria e cestaria) e foi encerrado por dois anos sendo a reabertura a 17 de Outubro de 2016.

Fonte: InforPress

Notícias

Dia Nacional da Cultura comemorado sob o lema “eu_génio: do legado à ficção”

Governo prevê funcionamento da Universidade Técnica do Atlântico em 2020/2021

Santiago Norte: Municípios juntam-se ao MCIC para homenagear a Morna no Dia Nacional da Cultura e Comunidades

São Nicolau: Projecto Caminhar inicia acção de capacitação em acompanhantes de “trekking”