Missão do Fundo de Desenvolvimento China-África em Cabo Verde

Uma missão do Fundo de Desenvolvimento China-África (CAD Fund, sigla em inglês) encontra-se na cidade da Praia para discutir a viabilidade da participação de empresários cabo-verdianos neste fundo, um dos principais instrumentos para fomento do investimento chinês no continente africano, apurou a PANA segunda-feira de fonte segura.

Para o efeito, Cabo Verde Investimento-Agência do Turismo e Investimentos, entidade publica cabo-verdiana responsável pela atração de investimentos estrangeiros no país, promove, nesta terça-feira uma sessão de apresentação do CAD Fund durante a qual se dará também uma explicação pormenorizada sobre esta missão.

Na ocasião, terão lugar encontros bilaterais durante os quais empresários cabo-verdianos terão a oportunidade de apresentar seus projetos ao seu parceiro e discutir a viabilidade da sua participação nesse fundo de investimento.

A visita da missão do CAD Fund já investiu num total de 84 projetos em 36 países da África, avaliados em cerca de três mil e 200 milhões de dólares americanos.

Também tem como propósito conhecer no local o projeto Complexo Turístico do Ilhéu de Santa Maria, na baía do porto da Praia, ou seja um investimento de mais de 250 milhões de euros a ser implementado por um empresário chinês, David Chow.

A cerimónia de lançamento da primeira pedra desse empreendimento realizou-se a 8 de fevereiro último, uma altura em que o então primeiro-ministro, José Maria Neves, afirmava que a sua implementação "vai abrir novos horizontes ao turismo chinês em Cabo Verde".

José Maria neves considerou ainda que o mesmo ia conquistar novos mercados, como  também “trazer novas iniciativas de investimentos direto externo chinês” noutras áreas “já consensualizadas bilateralmente, mas sobretudo de forma robusta e sustentável”.

O projeto contempla edificações, infraestruturas e equipamentos de acesso, circulação, alojamento e funcionalidade do resort destinado ao turismo urbano de luxo e casino, abrangendo todo o ilhéu de Santa Maria, uma parcela da praia da Gamboa à frente do ilhéu e o espaço marítimo entre o ilhéu e a costa.

A expetativa é que este investimento de mais de 250 milhões de euros tenha efeitos sinérgicos na atração de outros operadores, na dinamização do turismo na ilha de Santiago, na promoção de negócios, na valorização estratégica do país no setor financeiro internacional e na geração de empregos.

Também se prevê, no mesmo contexto, a criação de dois mil e 100 postos de trabalho direto e o acolhimento diário a 12 mil pessoas nos setores do comércio, do lazer, do desporto e da cultura.

Notícias

Dia Nacional da Cultura comemorado sob o lema “eu_génio: do legado à ficção”

Governo prevê funcionamento da Universidade Técnica do Atlântico em 2020/2021

Santiago Norte: Municípios juntam-se ao MCIC para homenagear a Morna no Dia Nacional da Cultura e Comunidades

São Nicolau: Projecto Caminhar inicia acção de capacitação em acompanhantes de “trekking”