Luxemburgo entrega quatro milhões de euros a Cabo Verde para água e saneamento

O governo do Luxemburgo já disponibilizou quatro milhões de euros para alimentar o Fundo Setorial de Água e Saneamento, ainda em fase de constituição em Cabo Verde, anunciou segunda-feira o ministro cabo-verdiano da Agricultura e Ambiente, Gilberto Silva.

Gilberto Silva falava num encontro de divulgação da proposta desse fundo que, a seu ver, é "um dos instrumentos estruturantes da reforma do setor da água e saneamento que está a ser levado a cabo no país".

O governo perspetiva um fundo à semelhança do Fundo de Água e Saneamento (FASA), criado e posto a funcionar no quadro da implementação do segundo pacote do programa de ajuda norte-americana Conta de Desafio do Milenio (MCA, sigla em inglês), como forma de promover mecanismos financeiros inovadores e sustentáveis para garantir investimentos no setor.

Segundo o ministro, o Executivo está muito empenhado na estruturação desta verba, "justamente para podermos definir melhor os canais de investimento e demonstrar perante os nossos parceiros" que Cabo Verde já fez uma boa reforma e que está bastante estruturado do ponto de vista de gestão dos recursos que são postos à sua disposição.

No entanto, ele reconheceu que, apesar de todo o investimento feito nos últimos anos e dos projetos realizados e os em curso neste preciso momento, o mesmo, tendo em conta a inventariação das necessidades do país neste setor, deve continuar como prioritário por muitos anos ainda.

Segundo a Agência Nacional de Água e Saneamento (ANAS), Cabo Verde precisa de aproximadamente três milhões e 800 mil contos por ano para fazer face às necessidades de investimentos no setor de água e saneamento e garantir água em quantidade e qualidade e um serviço de saneamento de qualidade para todos os Cabo-verdianos.

Gilberto Silva recordou que Cabo Verde já conta com quatro milhões de euros disponibilizados pelo Luxemburgo para o fundo, mas que o país necessita ainda de muito mais.

Por isso, acrescentou, outros recursos vão ter de ser mobilizados junto dos diversos parceiros, designadamente os bancos de investimento nomeadamente BADEA e BAD e os fundos Árabe, do Kuwait, entre outros.

O ministro adiantou que no quadro do Orçamento de Estado para 2017 está inscrito um montante de 1,5 mil milhões de escudos cabo-verdianos (cerca de 35 milhões de euros) para investimentos no setor de água e saneamento, nomeadamente a construção de redes, reservatórios, estações de dessalinização, tudo no sentido de aumentar a disponibilidade de água.

Gilberto Silva advertiu que não basta só investir em infraestrututuras e equipamentos, mas que também é necessário apostar na questão da melhoria da governança desse setor e fazer uma gestão muito mais criteriosa dos recursos colocados à disposição do país.

É com este propósito que foi apresentando também, no encontro de segunda-feira, o regime jurídico para o setor da água e saneamento.

Fonte: Panapress

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos