Jaime Mayaki, OMT: O turismo não pode continuar a ser pensado como antes

O sistema de all inclusive que tem sido o grande motor do turismo em Cabo Verde não é sustentável e o sector deve seguir novos rumos. De qualquer modo, avalia o vice-director do Programa Regional para África, da Organização Mundial de Turismo (OMT), o país está já na direcção certa e isso denota-se na vontade política e planeamento assumidos para o futuro do sector.

O modelo dos resorts trouxe receitas para Cabo Verde, e terá contribuído até para que este ascendesse a país de rendimento médio. É um facto, aponta Jaime Mayaki. Porém, considera o especialista, este sistema – “uma experiência pela qual Cabo Verde passou”, não pode continuar a ser o caminho.

Aliás, em consonância com as tendências mundiais, e como salienta, “2017 foi declarado pelas Nações Unidas como o ano internacional do turismo sustentável para o desenvolvimento, por forma a chamar a atenção a todos os estados, stakeholders, hotéis, etc.,  de que, de agora em diante, a sustentabilidade tem de ser aplicada à forma como fazem negócio”.

Ou seja, “o negócio não pode ser feito da forma como era feito antes”, resume Jaime Mayaki, que falava aos jornalistas à margem do IV Fórum Mundial de Desenvolvimento Económico Local, no qual foi orador no painel interactivo “Turismo e Desenvolvimento Local nos PEIDs”.

Porém, pelo que pôde observar, Cabo Verde já interiorizou essa mudança, pretendendo neste momento apostar num turismo que beneficie a população local e seja desenvolvido de modo sustentável. O representante da OMT,  aponta, elogiando o país, que essa noção está, na realidade, bem plasmada na agenda nacional de desenvolvimento. De acordo com uma análise que realizou aos planos dos seis PEIDs africanos (Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Seychelles, Maurícias e Comores) apenas no de Cabo Verde o turismo é abordado tendo em conta: objectivos, políticas para o sector e um plano de implementação detalhado dessas políticas. “Apenas Cabo Verde contempla estes três critérios”, sublinha.

O próprio facto do sector estar inserido num ministério que contempla a Economia e o Emprego, é para o especialista, positivo pois permite “uma visão e abordagem holística de como o sector deve ser tido em conta”.

Assim, ressalta: “há um pensamento e planeamento detalhados e penso que Cabo Verde está na direcção certa. Obviamente vai levar algum tempo, mas a vontade política existe, isto é o mais importante. O efeito bola de neve estará lá”.

Jaime Mayaki adverte porém que é “essencial” envolver as comunidades em todo o processo de tomadas de decisão e implementação das políticas do turismo, consultando-as, engajando-as e empoderando-as. E é necessário, não só assegurar que existem “benefícios equitativos do turismo dentro das comunidades” como “promover interacções benéficas entre as comunidades e os turistas”. Isto, até por forma a evitar a turismofobia (rejeição e atitudes violentas contra turistas) como já se tem vindo a verificar noutros pontos do mundo, nomeadamente na Europa.

 

Isenção de vistos é positiva

O vice-director do Programa Regional para África saudou também a já manifestada vontade do governo de isentar os turistas europeus e britânicos, de vistos.

“O ‘visa free’ é uma oportunidade para qualquer país”, disse, acrescentando que tanto do seu ponto de vista pessoal como no da OMT, limitar o movimento das pessoas é negativo não só de um ponto de vista social e humano, como económico.

Na realidade, tudo o que contribua para facilitar a mobilidade – incluindo o visto electrónico – deve ser visto como um activo.

Por isso, e salvaguardando que a muito criticada questão da reciprocidade deve ser discutida a um nível político, do ponto de vista do turismo esta é uma “boa medida”, considera.

 

Promover o turismo intra-regional

Entretanto, falando a um nível mais abrangente, Jaime Mayaki sublinhou a importância de promover o turismo intra-regional. Para tal, há que ultrapassar diversos desafios, nomeadamente o da conectividade e da  facilitação de vistos entre países africanos de blocos diferentes.

A Segurança é outro dos destaques. Basta ver, como observa Jaime Mayaki, que grande parte dos ataques terroristas que África sofreu em anos recentes, tiveram como alvo infra-estruturas turísticas e turistas. “Tunísia, Cote d’Ivoire, Mali, Burkina Faso… Foram eventos que afectaram o sector turístico. A Tunísia só agora está a recuperar e os últimos anos foram muito difíceis para eles,” lamentou.                                  

Texto originalmente publicado na edição impressa do Expresso das Ilhas nº 830 de 25 de Outubro de 2017. 

Fonte: Expresso das Ilhas

Notícias

Cabo Verde não deve competir pelo preço com outros destinos turísticos, avisa CEO da Oásis

Projeto "Volunturismo" movimenta cerca de 30 turistas para São Vicente

Santa Cruz: Autarquia quer transformar município num destino turístico de excelência

Porto Novo recebe investimentos privados nas pescas à volta de 70 mil contos

São Vicente vai acolher missão empresarial alemã com foco nas energias renováveis