Geólogo quer “reactivar” projeto de criação do Geopark de São Nicolau

O projeto do Dragoeiro Aspiring Geoparque será apresentado entre 22 e 25 deste mês durante o 1º Meetup Trekking São Nicolau.

João Duarte é um geólogo português, com raízes em São Nicolau, que há vários anos vem tentando pôr de pé o Dragoeiro Aspiring Geopark. Um projeto que esteve em curso durante a gestão do antigo autarca da Ribeira Brava, Américo Nascimento, mas que ficou “parado”, com a mudança política. Agora, quer reativar o empreendimento e apela ao engajamento do poder local e central, tendo em conta a importância do mesmo, que ambiciona integrar a Rede Mundial de Geoparques, da UNESCO.

O projeto é ambicioso e tem como base o desenvolvimento sustentável e luta contra a pobreza na ilha de São Nicolau através da potenciação de toda a riqueza geológica da ilha.

A ideia, que começou a ser materializada pela Associação para o Desenvolvimento 24º Oeste, de Coimbra, da qual João Duarte faz parte, começou a dar os primeiros passos, há uns anos, durante a gestão do antigo autarca da Ribeira Brava, Américo Nascimento, mas o projeto ficou “parado”, com a mudança política em 2016.

“Desde as últimas eleições municipais, as acções, até então implementadas, foram suspensas, assim como todo o projeto. Agora, para a reativação do projeto, com a implementação de todas as componentes previstas, é necessário entrar na agenda de prioridades do poder local e central, designadamente, do Ministério da Agricultura e Ambiente e da Direção Nacional do Ambiente, mobilização das populações, assim como meios financeiros que permitam a sua execução”, explicou a este semanário.

O interesse de João Duarte, geólogo, e professor universitário, de profissão, pela Ilha de Chiquinho não é à toa. Pois, como confidenciou ao A NAÇÃO, há um elo “sentimental muito grande” que o motivou a querer contribuir para o desenvolvimento da ilha.

“São Nicolau tem uma história riquíssima e é um berço cultural que não está a ser aproveitado, nem potenciado”, disse. João Duarte é filho de pai cabo-verdiano, nascido precisamente em São Nicolau.

Mas, o que compreende então a criação do Dragoeiro Aspiring Geopark? Como explica o nosso entrevistado, o projeto tem como finalidade a “preparação, implementação e candidatura” desse geoparque, bem como a classificação da ilha de São Nicolau, como Monumento Natural, à Rede Mundial de Geoparques, da UNESCO.

Para isso, chegaram a ser assinados vários protocolos com autoridades locais e instituições sem fins lucrativos, entre elas a União das Cidades Capitais de Língua Portuguesa (UCCLA), Comissão Nacional da UNESCO de Portugal, Associação Humanitária ONGD, Câmaras Municipais do Tarrafal e Ribeira Brava, Parque Natural de Monte Gordo, Associação Tartolho e Associação de Turismo de São Nicolau, entre outras.

Condições naturais

O nosso entrevistado esclarece que, segundo a definição da UNESCO, um geoparque é “um território de limites bem definidos com uma área suficientemente grande para servir de apoio ao desenvolvimento sócio-económico local”.

Mais do que isso, deve “abranger um determinado número de sítios geológicos de relevo ou um mosaico de entidades geológicas de especial importância científica, raridade e beleza, que seja representativa de uma região e da sua história geológica, eventos e processos”.

Um geoparque poderá ainda possuir “não só significado geológico, mas também ao nível da ecologia, arqueologia, história e cultura”.

Na prática, no entender de João Duarte, São Nicolau é uma espécie de laboratório a céu aberto que tem “todas as condições” para a criação de um Geoparque e que não deve ser negligenciado, pois, é um conceito abrangente que poderá trazer ganhos ao nível do desenvolvimento turístico e económico das populações locais.

Duarte explica que a criação de geoturismos, no qual se enquadra um geoparque, tem um papel ativo no desenvolvimento económico da região, “através da promoção de uma imagem relacionada com o património geológico”, com “influência direta” nas condições de vida dos habitantes e do meio ambiente.

“Em cooperação com os seus habitantes, visa suportar uma educação para o desenvolvimento sustentável, apoia e investe na investigação científica, nas várias disciplinas das Ciências da Terra, procura sensibilizar para a valorização do ambiente natural, com base nas políticas de Desenvolvimento Sustentável, colaborando com empresas e entidades locais para promover e suportar a criação de novos produtos relacionados com o Património Geológico”, salienta.

Vontade política precisa-se

Na óptica deste investigador, o conceito de desenvolvimento sustentável “implícito” ao projecto terá mais “credibilidade e sustentabilidade”, com o alargamento a todo o arquipélago de Cabo Verde, à semelhança do projeto existente nos Açores. “Se assim as entidades locais o entendam, este é nosso objetivo num futuro próximo”, garante.

Mas, entretanto, a prioridade é São Nicolau. Até porque, como avança, “falta” a implementação da maioria das ações que estão previstas na proposta que visa a preparação, implementação e candidatura do projeto Geoparque”.

“Neste momento”, adianta, “já foram efetuadas algumas ações. Já avançamos com a definição da equipa técnica em parceria com a Câmara Municipal da Ribeira Brava; com caracterização geográfica, geomorfológica e geológica da ilha e com a definição e caracterização dos geosítios de São Nicolau. Também já temos a definição de projetos educativos a desenvolver com as escolas parceiras; a definição de roteiros de turismo cultural e de natureza; a definição de percursos pedestres e definição de atividades de lazer a implementar no Geoparque”.

E caso seja implementado e a candidatura aceite pela Rede Mundial de Geoparques, este projeto será o primeiro a ser desenvolvido na África Ocidental, mas como remata João Duarte, para isso, será necessário haver “vontade política”. O projecto do Dragoeiro Aspiring Geoparque será apresentado entre 22 e 25 deste mês durante o 1º Meetup Trekking São Nicolau.
Fonte: A Nação

Notícias

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras

Ginástica Rítmica: Noa Veiga representa Cabo Verde no Mundial de Júniores na Rússia

São Tomé e Príncipe e Cabo Verde celebram acordo de supressão de vistos