“É preciso trabalhar melhor a integração dos cabo-verdianos no sector do turismo e da economia local na economia do turismo” – Victor Fidalgo

Assinala-se hoje, 27, o Dia Mundial do Turismo. Cabo Verde vive actualmente com a sua economia ancorada no Turismo que contribuiu entre 23 a 24% para o PIB do país.

Assinala-se hoje, 27, o Dia Mundial do Turismo. Cabo Verde vive actualmente com a sua economia ancorada fortemente no Turismo que contribuiu entre 23 a 24% para o Produto Interno Bruto (PIB) do arquipélago. Números que podem ser ainda mais elevados, sobretudo se a economia local integrar ainda mais a própria economia do turismo.

Apesar de, nos últimos dois anos o turismo de natureza, o turismo rural e o ecoturismo terem vindo a conquistar mais espaço em ilhas sobretudo como Santo Antão e Santiago, o turismo de massas continua a dominar o produto turístico do destino Cabo Verde, com enfoque nas ilhas do Sal e Boa Vista, que juntas detém praticamente mais de 90% das entradas turísticas do país.

Na óptica do consultor e especialista em turismo, Victor Fidalgo, para que o turismo continue a crescer de forma mais sustentável, Cabo Verde precisa “repensar” a qualidade do produto turístico que quer.

Nesse contexto, destaca uma série de medidas a se ter em conta. Desde logo a questão do urbanismo.

“A qualidade passa pela revisão do índice de ocupação do solo e de edificabilidade. Pois, neste momento, a ganância ou desconhecimento está a tentar-nos a permitir sobre ocupação do solo ou excesso de construção por m2. Também precisamos de ordenamento urbanístico adequado, pois temos ainda muitas carências nesta matéria”.

Não menos importante é a “melhoria” da governação do sector do turismo aumentando a sua governabilidade. “Às vezes temos a impressão que todos querem ser ministro do turismo”, alerta.

Outro dos pontos a ter em conta, do ponto de vista deste especialista é a “melhor gestão da distribuição nos mercados internacionais”, o que no seu entender passa por “um melhor critério na aceitação de certos investimentos, com uma clara visão de diversificação do produto”

Victor Fidalgo defende ainda que é preciso continuar a melhorar as condições de prestação de serviços pelos cabo-verdianos.

“Nomeadamente, definir um verdadeiro programa de melhoria do destino, o que passa por uma revisão dos critérios de arrecadação e distribuição das receitas provenientes do turismo”.

A segurança é outro factor crucial para o desenvolvimento e aumento da qualidade do destino. ”

É preciso continuar a melhorar a segurança das pessoas e bens, e as condições de habitação dos cabo-verdianos que prestam serviços no sector, etc. Ou seja, Cabo Verde, dentro do nicho “sol & praia”, deve criar um subproduto próprio. Esse é o maior desafio para o nosso crescimento”, alerta.

Por fim, para que esse desenvolvimento seja também mais inclusivo Victor Fidalgo defende que é necessário  um “esforço específico e melhor orientado na integração dos cabo-verdianos no sector do turismo e da economia local na economia do turismo”, assim como uma “melhor organização dos pontos turísticos com valor histórico e cultural”.
Fonte: A Nação

Notícias

Associações açorianas vão celebrar protocolo “pioneiro” de cooperação com Cabo Verde

Fundação Maio Biodiversidade faz “balanço positivo” da campanha de protecção das tartarugas marinhas

Turismo de Cruzeiro: Santo Antão afirma-se no segmento de mercado dos navios de médio e pequeno porte

Governo lança obras de reabilitação das duas casas de Eugénio Tavares na Ilha da Brava

“Até hoje faltou um organismo capaz de dialogar com os empresários do sector turístico”