Dois cemitérios judaicos restaurados na ilha de Santo Antão regressam à comunidade

Dois cemitérios judaicos que foram recentemente restaurados na Ribeira Grande, na ilha de Santo Antão, vão ser terça-feira "rededicados" a esta comunidade, numa cerimónia em que estarão presentes descendentes de judeus, alguns dos quais sepultados nestes espaços.

Segundo uma nota do Projeto Herança Judaica em Cabo Verde (PHJCV), os dois cemitérios situados em Ponta do Sol e Penha de França são do século XIX e foram recentemente restaurados graças a uma parceria entre a autarquia de Ribeira Grande e o PHJCV, com o financiamento do rei Mohammed VI de Marrocos.

O PHJCV sublinha a importância do governo cabo-verdiano ter classificado como Património Histórico e Cultural Nacional o acervo patrimonial da herança judaica neste país, que é “predominantemente católico”, o que aconteceu no Conselho de Ministros de 12 de julho de 2017.

O Governo de Cabo Verde considera que “ilhas como Boa Vista, Fogo, Santo Antão, Santiago e São Vicente têm uma presença judaica histórica desde os tempos do povoamento do povo judeu que é preciso valorizar”.

Para a cerimónia de "rededicação" de terça-feira, através do qual um espaço é restituída à comunidade, está prevista a presença do rabino-chefe de Lisboa, Natan Peres, o presidente da Assembleia Nacional de Cabo Verde, Jorge Santos, o presidente do Instituto do Património Cultural (IPC), Hamilton Jair Fernandes, entre outros, além de descendentes dos judeus de Cabo Verde, alguns dos quais enterrados nos dois cemitérios recém-restaurados.

A cantora cabo-verdiana Gardenia Benrós irá igualmente estar presente.

O PHJCV acrescenta que os dois cemitérios estão cercados pela beleza da ilha montanhosa de Santo Antão, onde a maioria dos judeus que migraram a partir de Marrocos se instalou.

A restauração destes cemitérios incluiu a colocação de placas de bronze, produzidas em Londres, que contam a história desta migração.

A recuperação destes cemitérios foi promovida por Carol Castiel, mentora do projeto de conservação da herança judaica em Cabo Verde.

Em entrevista à agência de notícias cabo-verdiana (Inforpress), Carol Castiel afirmou que a herança judaica em Cabo Verde não se resume aos cemitérios e que está a realizar-se um trabalho de recolha histórica que deverá resultar num livro que está a ser preparado pela historiadora cabo-verdiana, de ascendência judaica, Ângela Sofia Benoliel Coutinho.

Fonte: Sapo CV

Notícias

Cabo Verde lança isenções fiscais para tentar captar investimento de emigrantes

Governo e Câmaras de Comércio oficializam transferência de competências

​FIC 2019 em “casa apertada” no adeus à Laginha

Operadores registam aumento de turistas com o Programa Cabo Verde Stopover