Cabo Verde tem 9.983 empresas ativas com 63.486 empregados e volume de 2.600 ME

Cabo Verde tem 11.060 empresas, das quais 9.983 ativas, que empregam 63.486 pessoas e movimentam um volume de negócios na ordem dos 2.600 milhões de euros, segundo dados do mais recente recenseamento empresarial.

Em setembro de 2018, o Instituto Nacional de Estatística de Cabo Verde (INECV) realizou o quinto Recenseamento Empresarial, durante o qual foram recenseadas todas as unidades económicas do tipo empresarial que operam no país, nomeadamente empresas e estabelecimentos.

Os resultados preliminares hoje apresentados na cidade da Praia, que se reportam ao ano económico de 2017, indicam que cerca de 70% das empresas ativas em Cabo Verde são em nome individual ou sociedades unipessoais e que as sociedades por quotas foram os maiores empregadores (34%).

Em Cabo Verde existem 9.983 empresas ativas, mais 8,8% do que em 2012, ano a que se reportou o anterior recenseamento empresarial, efetuado em 2013.

As sociedades anónimas foram, contudo, as que geraram maior volume de negócios (59%), conforme explicou aos jornalistas o diretor das estatísticas económicas e empresariais do INECV, Fernando Rocha.

Outros dados indicam que, apesar da maioria das pessoas empregadas (75%) trabalharem em empresas com contabilidade organizada, cerca de 67% das empresas ativas em Cabo Verde não tem contabilidade organizada.

Só as empresas com contabilidade organizada faturaram 95% do total do volume de negócios em 2017.

Os homens gerem praticamente o dobro das empresas geridas por mulheres: 6.250 e 3.733, respetivamente.

Em termos geográficos, as ilhas da Boa Vista e Sal foram as que tiveram maior crescimento do número de pessoas ao serviço, sendo que a ilha do Maio foi a que registou uma maior queda, disse o mesmo responsável do INECV.

Em relação ao volume de negócios, que foi de 287.630.932 mil escudos cabo-verdianos (cerca de 2.602.978.448 euros), este cresceu 14,7% face a 2012, com a ilha da Boa Vista a registar o maior crescimento e a ilha do Maio uma forte queda.

A faturação média por trabalhador foi maior nas ilhas de São Vicente, Santiago e Sal.

No Sal, a faturação média por empresa foi de 49.002 mil escudos cabo-verdianos (cerca de 443.454 euros).

O comércio, o alojamento e restauração e indústria transformadora são os setores que, em 2017, concentravam o maior número de empresas ativas.

O setor do comércio emprega mais pessoas, cerca de 23%, e foi o que maior volume de negócios gerou.

Fernando Rocha sublinhou que este recenseamento introduziu, pela primeira vez, e por recomendação internacional, dados sobre todas as instituições sem fins lucrativos que exercem atividade económica no território cabo-verdiano.

Os dados ainda estão a ser tratados mas registaram já a existência de 193 organizações não governamentais em todo o país.

Fonte: A Nação

Notícias

Porto Novo: Museu das Romarias pronto para receber visitas nas próximas festas de São João – ministro da Cultura

Parque Tecnológico derrapa 30% do custo inicial mas vai ajudar a transformar Cabo Verde num “país digital”, garante Governo

Conselho de Ministros aprova lei que institui Zona Económica Especial de Economia Marítima em São Vicente

Missão empresarial de Cabo Verde em Portugal visita Marinha Grande para “aprender com os melhores” em investigação e design industrial

"Batuka". O novo video de Madonna com a Orquestra Batukadeiras